retalho

Dia avança com despedimento de 2100 pessoas após prejuízos de 352 milhões

Em Portugal, o grupo Dia explora as lojas Minipreço. Fotografia: Rui Oliveira/ Global Imagens
Em Portugal, o grupo Dia explora as lojas Minipreço. Fotografia: Rui Oliveira/ Global Imagens

Em Portugal, onde explora as lojas Minipreço, o grupo registou quebra nas vendas para 808 milhões

O grupo Dia vai avançar com um despedimento coletivo em Espanha, que irá afetar no máximo 2100 pessoas. Este processo de rescisões insere-se no Plano Estratégico 2018-2023, que acabou de ser divulgado no site da Comissão Nacional del Mercado de Valores (CNVM). A retalhista fechou o exercício de 2018 com prejuízos de 352,6 milhões de euros.

Em Portugal, onde o grupo opera com as marcas Minipreço e Clarel, não há referência a despedimentos. A operação em território nacional gerou no ano passado vendas brutas de 808 milhões de euros, uma quebra de 3,1% face a 2017.

No comunicado enviado esta sexta-feira, à CNMV (entidade reguladora do mercado mobiliário), o grupo avança que o despedimento coletivo irá “afetar as sociedades Dia e Twins em Espanha” e justifica que esta decisão “tem por objetivo assegurar a sustentabilidade futura da companhia”.

Dívida cresce
O grupo fechou o exercício de 2018 com uma dívida de 1.452 milhões de euros, um aumento de 500 milhões face ao homólogo. As vendas atingiram os 7.288 milhões, uma quebra de 11,3%. Já o EBITDA ajustado situou-se nos 338 milhões, uma descida de 34,8%. O ano encerrou com prejuízos de 352,6 milhões, que compara com os lucros de 101,2 milhões gerados em 2017.

“2018 foi um ano turbulento para o Dia, provavelmente o mais difícil desde a fundação da companhia há mais de 40 anos”, diz a administração do grupo no comunicado. “Os resultados de 2018 são um claro indicador que o desempenho não alcançou as expectativas”, sublinha ainda.

Fecharam 50 lojas no país
Durante o ano passado, o grupo Dia encerrou um total de 50 lojas em Portugal – dez próprias e 40 franchisadas – e abriu seis próprias e 17 em sistema de franchising. No final do ano, totalizava 532 unidades, menos 27 que em 2017.

Em Portugal, as vendas caíram 3,1% para 808,4 milhões, com o EBITDA ajustado a sofrer uma descida de 28,7% para 30,1 milhões. Os resultados operativos foram negativos em 16,5 milhões, valor que compara com os 13,4 milhões atingidos em 2017.

A atual administração do grupo, que tem atividade em Espanha, Portugal, Argentina e Brasil, num total de 6157 lojas, quer agora implementar um plano para salvar a operação. Os objetivos para os próximos cinco anos passam por aumentar as vendas e melhorar o EBITDA já a partir de 2020.

Intitulado “O novo Dia”, o plano assenta numa aposta nos produtos de marca própria e nos frescos, e na renovação das lojas.

Neste dias turbulentos para o grupo, foi dada a conhecer a intenção do lançamento de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) voluntária sobre 70,9% do capital do Dia pela LetterOne, principal acionista da retalhista e que é controlada pelo milionário russo Mikhail Fridman. A LetterOne detém 29% do Dia.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o primeiro-ministro indigitado, António Costa, durante uma audiência para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Primeira reunião do novo governo marcada para sábado a seguir à tomada de posse

Outros conteúdos GMG
Dia avança com despedimento de 2100 pessoas após prejuízos de 352 milhões