jogo

Distribuição da Raspadinha passa para as mãos dos CTT

A SCML admitiu atrasos "muito pontuais" nas entregas de jogo. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens
A SCML admitiu atrasos "muito pontuais" nas entregas de jogo. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

A entrega dos jogos registou, na semana passada, diversas falhas, tendo esgotado em vários pontos de venda, devido ao fecho da Urbanos Express.

A distribuição de raspadinhas e lotarias no país vai regressar à normalidade, depois de uma semana em que foram registadas diversas falhas nas entregas e, inclusive, o fim de stocks em alguns quiosques e tabacarias. A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) assegurou que a partir de hoje (segunda-feira) são os CTT que vão fazer a distribuição dos jogos pelos mais de cinco mil pontos de venda que existem em território nacional. A falta de raspadinhas e lotarias em várias zonas do país, com incidência no Norte, foi provocada pelo encerramento devido a prejuízos acumulados da Urbanos Express.

“A partir de hoje são os CTT que vão assegurar a distribuição”, revelou ao Dinheiro Vivo fonte oficial da SCML. A regularidade da distribuição deverá ser reposta num curto espaço de tempo, embora não defina um dia exato para que as lacunas estejam todas colmatadas. A Santa Casa reconhece que “não existe uma normalidade a 100%”, mas não esclarece quantos operadores foram afetados.

A solução encontrada para o encerramento da Urbanos Express é um respirar de alívio para os mediadores. Vasco de Mello, presidente da Associação Nacional de Lotarias e Outros Jogos de Aposta, alertou que estas falhas “põem em causa o funcionamento dos mediadores, fazem perder negócio e podem afetar a rentabilidade da atividade”. Só a Raspadinha gerou, no ano passado, vendas de 1594 milhões de euros, mais de metade da faturação que a SCML obteve com os jogos sociais (3097 milhões).

A perda de vendas tem repercussões negativas nos mediadores, mas também nos beneficiários das receitas. Em 2018, o negócio do jogo social permitiu distribuir 733 milhões por entidades como os ministérios do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, da Saúde e da Educação e a área social da SCML.

A Urbanos Express, subsidiária do grupo de transportes homónimo, acumulou nos últimos dez anos um prejuízo de 10 milhões de euros, situação que conduziu à descontinuidade do negócio. Segundo José Bourbon Ribeiro, presidente do grupo Urbanos, a unidade Express não tinha frota própria e a maioria dos trabalhadores era subcontratado. A transportadora emprega atualmente 353 pessoas, sendo que as dificuldades que atravessou nos últimos anos levaram-na a executar dois processos especiais de revitalização (PER).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Distribuição da Raspadinha passa para as mãos dos CTT