Distribuição

Distribuição pede mediação para negociação do contrato coletivo de trabalho

Foto: DR
Foto: DR

APED refere que, depois de 20 meses "de processo de conciliação", "a posição das associações sindicais dificulta a continuidade das negociações".

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) divulgou hoje que pediu a mediação para a negociação do contrato de coletivo de trabalho, tendo em conta a “indisponibilidade negocial dos sindicatos e a “pouca razoabilidade” das propostas.

Em comunicado, a APED refere que “solicitou ao Ministério do Trabalho a mediação do contrato coletivo de trabalho do setor”, já que depois de quase dois anos (20 meses) “de processo de conciliação” e considera que “a posição das associações sindicais dificulta a continuidade das negociações”.

De acordo com a entidade, “a indisponibilidade negocial dos sindicatos e a pouca razoabilidade das propostas sindicais torna difícil o diálogo e levou a APED a solicitar um patamar de conversações mais eficaz”.

A APED aponta que “a falta de razoabilidade das propostas sindicais, nomeadamente a mais recente apresentada pelos sindicatos ligados à CGTP e onde se propunham aumentos salariais da ordem dos 20%, torna difícil um entendimento com os sindicatos”.

Garante que se mantém “disponível para dialogar”, salientando que “ao longo do processo negocial alterou sucessivamente a sua proposta de revisão do contrato, sempre numa perspetiva de aproximação à proteção dos interesses dos trabalhadores, entre os quais se conta a conciliação entre a vida profissional e familiar”.

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição “continua a valorizar e a estar empenhada em encontrar uma base de entendimento com as associações sindicais que permita a celebração de um acordo de revisão do contrato e, por isso, acredita que se justifica elevar a negociação a um patamar que permita que o processo seja mais eficaz, utilizando para isso um instrumento previsto na lei”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Algarve, Portugal. Fotografia: D.R.

Algarve lança campanha. “Fiquem em casa para regressarem com mais saudade”

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Distribuição pede mediação para negociação do contrato coletivo de trabalho