cerveja

Dona da Sagres chega a acordo com sindicato para aumentos de 2,5%

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Os trabalhadores da cervejeira paralisaram uma semana em maio, reclamando os grevistas aumentos salariais “dignos e justos” e progressão na carreira.

A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) chegou a acordo com o sindicato para aumentos de 2,5% dos trabalhadores da dona da Sagres, que entraram em greve em maio, com paragens de produção.

“O aumento foi de 2,5%, quer da atualização salarial quer das prestações pecuniárias que foram consideradas na negociação”, adiantou Nuno Pinto de Magalhães, director de Comunicação e Relações Institucionais da SCC, confirmando ao Dinheiro Vivo a notícia avançada pelo jornal especializado, Hiper Super.

A cervejeira e o Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (Sintab) chegaram a um princípio de acordo em relação à revisão salarial dos trabalhadores.

De acordo com a informação prestada pelo presidente do Sintab, Rui Matias, ao Hiper Super os trabalhadores terão um aumento de 35 euros por mês, com retroativos a partir de janeiro, e um mínimo de 2,5% em prestações pecuniárias. “Mantém-se a perspetiva de um de um prémio anual para os trabalhadores”, disse ainda Rui Matias.

Os trabalhadores da dona da Sagres entraram em greve a 6 de maio, reclamando os grevistas aumentos salariais “dignos e justos” e progressão na carreira.

A paralisação durou uma semana com paragens de produção, em diversos períodos horários, tendo tido segundo o sindicato uma adesão de 100%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: Leonel de Castro/Global Imagens

Famílias com 12 meses para pagarem rendas do estado de emergência

(João Silva/ Global Imagens)

Papel higiénico, conservas:em 2 semanas, portugueses gastam 585 milhões no super

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

140 mortos e 6408 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Dona da Sagres chega a acordo com sindicato para aumentos de 2,5%