Dona da Zara com menos 7,3% de lucros

Amancio Ortega, dono da Zara
Amancio Ortega, dono da Zara

A Inditex, dona da Zara, registou lucros líquidos de 406 milhões de euros no seu primeiro trimestre fiscal (1 de fevereiro a 30 de abril), o que representa menos 7,3% do que em igual período do ano passado.

Segundo informou hoje a empresa, as vendas a câmbio constante cresceram 11%, refletindo o que considera ser “o sólido comportamento operativo”, e as vendas contabilísticas, afetadas pelas taxas de câmbio, aumentado 4%, para 3.748 milhões de euros.Já “o efeito da conversão cambial do euro reduziu as vendas em seis pontos percentuais”, justifica a empresa espanhola.

A dona da Zara e Massimo Dutti, informa ainda que o EBITDA (resultados operacionais reais antes de provisões, impostos e amortizações) foi de 732 milhões de euros, abaixo dos 749 milhões de há um ano, e o EBIT (lucro líquido de exploração) foi de 530 milhões de euros, abaixo dos 559 milhões de euros de 2013.

Leia mais Exportações têxteis registam o melhor resultado da última década

O grupo espanhol, que destacou o “sólido resultado operacional” do trimestre, garantiu ainda ter criado oito mil novos postos de trabalho, 700 dos quais em Espanha nos últimos 12 meses. No mercado espanhol mantêm-se os investimentos destinados ao aumento de capacidade das instalações, informou a Inditex.

No primeiro trimestre, a Inditex abriu 53 novas lojas, em 26 mercados diferentes. No caso da Zara, foram 19 as aberturas, já com nova imagem, em Seattle (Estados Unidos), Sidney (Austrália), Roma (Itália) e Madrid (Espanha). No total, a marca mais conhecida da Inditex conta com 6393 lojas em 88 mercados.A empresa fez 53 aberturas líquidas no primeiro trimestre e agora tem 6.393 lojas

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Dona da Zara com menos 7,3% de lucros