Retalho Alimentar

Dona do Minipreço com prejuízos de 790,5 milhões

Em Portugal, o grupo Dia explora as lojas Minipreço. Fotografia: Rui Oliveira/ Global Imagens
Em Portugal, o grupo Dia explora as lojas Minipreço. Fotografia: Rui Oliveira/ Global Imagens

As vendas líquidas do grupo retalhista desceram 9,3% para os 6.870 milhões de euros. 2019 foi um ano de profunda reestruturação do grupo espanhol.

O grupo Dia fechou o ano passado com perdas de 790,5 milhões, um aumento face aos 352,6 milhões de euros de perdas nas contas re-expressadas de 2018.

As vendas líquidas do grupo retalhista desceram 9,3% para os 6.870 milhões de euros, menos 2,2% em moeda local. As vendas comparáveis diminuíram 7,6%, impulsionadas por menos -0.7% no número de tickets e uma redução de 7% na cesta média. O EBITDA ajustado sem excecionais alcançou os 34,1 milhões de euros, comparados com os 376 milhões de euros do ano passado.

“Reconhecer a situação da companhia é o primeiro passo para mudá-la. Começámos 2020 já com os frutos do trabalho realizado e o impacto foi determinante e significativo. No futuro, estamos decididos a construir a nossa própria história de sucesso, que se baseará numa oferta de proximidade moderna, uma proposta de valor atrativa, frescura, excelência operativa, um modelo de franquia benéfico para ambas as partes e uma oferta de marca própria excecional. O caminho da DIA está hoje impulsionado por grandes profissionais conhecedores do mercado local, que darão à companhia um enfoque único. Estamos totalmente comprometidos na transformação dos nossos pilares para criar a melhor experiência para o cliente. Os nossos esforços abarcaram não só a melhoria e otimização em todas as áreas críticas, mas também outros pontos importantes, como alargar as melhores práticas a todo o Grupo e implementar controlos financeiros integrais. O processo de transformação da DIA fortalece-se todos os dias”, disse Karl-Heinz Holland CEO do Grupo DIA, citado em nota de imprensa.

Os resultados em Portugal, onde o grupo opera com as insígnias Minipreço, Dia e a cadeia Clarel, não são conhecidos, mas o retalhista admite que foi de “inúmeros desafios”.

“O ano de 2019 foi um ano de grandes e inúmeros desafios para Portugal. Durante o primeiro semestre, a situação global da companhia afetou-nos significativamente e ainda que tenhamos corrigido essa tendência, as nossas vendas caíram 4,6% como estão refletidos nos nossos resultados. A partir do segundo semestre definimos bases muito importantes para o futuro de Portugal. O projeto de frescos e revisão do sortido, a preparação da transformação do modelo operativo de loja e uma nova logística de frescos, permitiu-nos começar a ver uma mudança de tendência que temos de consolidar como objetivo para 2020. O compromisso de todos, franqueados, colaboradores e fornecedores foi e será a chave para assegurar e avançar com este processo de mudança e transformação da companhia”, disse Miguel Guinea, CEO da DIA Portugal, citado em nota de imprensa.

O número de lojas no final de 2019 era de 6.626.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Dona do Minipreço com prejuízos de 790,5 milhões