Distribuição

Dona do Minipreço prepara aumento de capital de 600 milhões de euros

Fotografia: REUTERS/Juan Medina
Fotografia: REUTERS/Juan Medina

Grupo espanhol DIA registou prejuízos de mais de 350 milhões de euros e enfrenta ofensiva do empresário russo Mikhail Fridman.

O grupo espanhol de distribuição DIA vai avançar, a 20 de março, para um aumento de capital de 600 milhões de euros, avança este domingo o jornal El País, a citar um comunicado à Comissão de Mercado e de Valores Mobiliários de Espanha. A injeção, acordada com o banco Morgan Stanley, vai ser votada em assembleia geral de acionistas, marcada para essa data.

A empresa dona da cadeia Minipreço está numa difícil situação financeira, tendo fechado as contas do último ano com prejuízos de 352,6 milhões de euros e conhecendo quedas em quase todos os seus mercados. Enfrenta a tomada de capital do empresário russo Mikhail Fridman.

Com um participação de 29% no DIA, o dono da LetterOne deverá apresentar esta semana o prospeto de oferta pública de aquisição ao preço de 67 cêntimos por ação através do fundo retalhista L1. Muito abaixo do valor com que adquiriu a primeira parte no negócio, então avaliado em 2,7 mil milhões de euros, a oferta põe agora o DIA a valer 417 milhões de euros.

Segundo relata o El País, a proposta que segue para votação pelos acionistas é a de realizar uma operação harmónio. Ou seja, o grupo fará uma redução de capital primeiro, forçada pela acumulação de resultados negativos, para depois fazer o reforço de 600 milhões de euros, suportados num acordo de refinanciamento alcançado no final do ano passado.

O DIA, cujo único mercado ainda com vendas em crescimento é a Argentina, está no processo de despedir 2100 trabalhadores e de encerrar 600 lojas em Espanha – 300 ainda durante este ano.

Além do aumento de capital, os acionistas do grupo vão também votar a redução do número de membros do conselho de administração de 12 para dez.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Dona do Minipreço prepara aumento de capital de 600 milhões de euros