Retalho Alimentar

Dono da Makro quer reduzir 300 toneladas de plástico até 2023

Fotografia:  José Carmo/Global Imagens
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

Desde 2014 que o grupo já reduziu 300 toneladas de plástico, tendo reduzido a quantidade deste material em 11 mil embalagens de marca própria

O grupo Metro tem como meta reduzir 300 toneladas de plástico até 2023. O grupo dono da Makro Portugal tem ainda como objetivo até 2025 dar aos seus clientes “ferramentas para reduzir a sua pegada ecológica.”

“A Makro Portugal trabalha para o 12º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, que visa o Consumo e Produção Responsáveis. Por isso, estamos comprometidos com a transição para uma economia circular, na qual produtos e materiais circulam para eliminar o desperdício”, informa Nuno Nogueira Oliveira, Quality Assurance Manager & Sustainability Officer da Makro Portugal, citado em nota de imprensa.

Desde 2014 que a Makro Portugal participa, em conjunto com 12 países onde o grupo está presente, na Metro Plastic Iniciative, tendo contribuído para a otimização de “11.000 embalagens nas nossas marcas próprias, para a redução de 400 toneladas de material. Neste último ponto em particular a Makro Portugal conseguiu encontrar alternativas ao PVC em 100% das embalagens nas suas Marcas Próprias (Makro Chef, Makro Professional, ARO e Rioba), substituindo um plástico considerado ‘problemático’ pelos resíduos tóxicos resultantes da sua produção e eliminação”, adianta o responsável.

Aumentar a consciencialização entre colaboradores e clientes para mudar padrões de consumo, otimizar a gestão de resíduos, oferecendo pontos de recolha nas lojas, trabalhar com os fornecedores para obter gamas de produtos e soluções sustentáveis, otimizar as embalagens das marcas próprias para reduzir o seu impacto ambiental fazem parte dos objetivos do grupo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Dono da Makro quer reduzir 300 toneladas de plástico até 2023