Dono do Minipreço refinancia dívida e LetterOne injeta 500 milhões 

Retalhista alimentar dono do Minipreço reduz em 40% dívida e a DEA Finance, sociedade luxemburguesa propriedade da LetterOne, convertirá 500 milhões de euros de dívida em fundos próprios.

Dono do Minipreço refinancia dívida e LetterOne injeta 500 milhões

O grupo DIA anunciou esta segunda-feira ter fechado o um acordo de refinanciamento da sua dívida com o seu acionista de referência LetterOne, a DEA Finance e com os seus credores sindicados. O mesmo "estabelece uma estrutura de capital a longo prazo para continuar a apoiar o êxito da implementação do plano de transformação de negócio da empresa". Retalhista alimentar dono do Minipreço reduz em 40% dívida e a DEA Finance, sociedade luxemburguesa propriedade da LetterOne, convertirá 500 milhões de euros de dívida em fundos próprios.

"Este acordo transformador alinha todos os grupos de interesse financeiros chave para a DIA e proporciona ao Grupo uma base de capital sólida e estável que apoia a prossecução com êxito da nossa transformação de negócio. O nosso acionista de referência LetterOne, demonstrou, uma vez mais, o seu contínuo apoio no decurso do processo de transformação da DIA, tendo investido mais de 1.100 milhões de euros desde junho de 2019. Também quero agradecer a todos os credores sindicados da DIA pela confiança e apoio ao bom desenvolvimento a longo prazo da transformação da DIA. Durante 2020, o Grupo teve um desempenho positivo em termos de vendas e em EBITDA ajustado. Agora, vamos acelerar a segunda fase do plano de negócio e estou seguro que continuaremos a avançar em 2021 e nos anos seguintes", diz Stephan DuCharme, presidente executivo do Grupo DIA sobre o acordo, citado em comunicado.

O retalhista alimentar está presente em Espanha, Argentina, Brasil e Portugal, neste último mercado com as insígnias Dia e Minipreço.

O acordo prevê que a DEA irá converter 500 milhões de euros de dívida em fundos próprios, a capitalização de 200 milhões da linha de financiamento supersenior outorgada pela DEA Finance.; bem como a capitalização de 300 milhões euros dos bonos com vencimento em abril de 2021, dos quais 97,5% foram adquiridos pela DEA Finance através de uma oferta em agosto de 2020, descreve o grupo.

"A DEA Finance irá adiar, de abril de 2023 a junho de 2026, o vencimento de 300 milhões euros em bónus, dos quais 89,7% foram adquiridos pela DEA Finance através de uma oferta em agosto de 2020", refere ainda o DIA, sendo que os "credores sindicados irão adiar o vencimento do empréstimo sindicado de 902 milhões de euros de março de 2023 para dezembro de 2025."

Já o retalhista alimentar "amortizará antecipadamente 35 milhões de euros dos créditos supersenior outorgados pelos credores sindicados e os 36 milhões restantes serão pagos em julho de 2022".

O fim da operação deverá ocorrer em abril de 2021 após a aprovação dos acionistas e credores.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de