Retalho Alimentar

Dono do Pingo Doce paga 10 milhões em prémios em Portugal

O presidente do Conselho de Administração e Administrador-Delegado do Grupo Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos. Inácio Rosa / Lusa
O presidente do Conselho de Administração e Administrador-Delegado do Grupo Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos. Inácio Rosa / Lusa

É o 14º ano consecutivo que este prémio é atribuído em Portugal. Há 21 mil colaboradores elegíveis só no mercado nacional.

A Jerónimo Martins vai entregar 10 milhões de euros em prémios a 21 mil funcionários do grupo em Portugal. O prémio é referente ao desempenho do grupo dono do Recheio e do Pingo Doce o ano passado. Cada funcionário recebe 500 euros, uma subida de 5% face a 2018.

O prémio extraordinário anual, referente ao desempenho coletivo em 2019, é atribuído a 71.500 colaboradores do grupo, nos três países onde a Jerónimo Martins está presente, recebendo cada um dos colaboradores elegíveis 500 euros, o mesmo valor em Portugal, Polónia ou Colômbia. O grupo emprega 115 mil colaboradores.

Em Portugal, 80% dos colaboradores elegíveis vão receber o prémio, num total de quase 21 mil pessoas, o que representa um investimento de cerca 10 milhões de euros, informa a Jerónimo Martins. O prémio será processado com o salário de abril, adiantou fonte oficial do grupo quando questionado pelo Dinheiro Vivo.

“O Conselho de Administração de Jerónimo Martins aprovou a proposta do seu Presidente, Pedro Soares dos Santos, no sentido de aumentar o valor deste prémio em cerca de 5% face ao ano anterior. Esta percentagem é superior à do crescimento das vendas das companhias em Portugal, que registaram, em 2019, uma subida de cerca de 3% face a 2018”, destaca o grupo.

Globalmente, o retalhista alimentar fechou o ano passado com 433 milhões de euros de lucros, uma subida de 7,9% no ano passado, face a 2018, e as vendas consolidadas cresceram 7,5% para 18.638 milhões de euros.

O Grupo Jerónimo Martins emprega mais de 115 mil colaboradores, 30% dos quais em Portugal onde, no ano passado, criou cerca de 1.300 postos de trabalho.

“Este prémio, pago em Portugal pelo 14º ano consecutivo, acumula com a remuneração variável mensal em vigor e com os vários programas e ações de apoio aos colaboradores nas dimensões da saúde, da educação e do bem-estar familiar, nas quais, em 2019, o Grupo investiu, só no nosso país, mais de 3,6 milhões de euros.”

Trata-se de um prémio referente ao desempenho do grupo o ano passado, distinto dos anúncios de atribuição de prémios a colaboradores feito este ano por vários grupos retalhistas na sequência da pandemia do Covid-19. Mercadona, Auchan e DIA anunciaram prémios em março para compensar colaboradores depois da corrida aos supermercados pelos consumidores nacionais.

(notícia atualizada às 19h48 com informação sobre data de pagamento do prémio)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP

Exportações e turismo afundam 9,6% e geram recessão de 2,3% no 1º trimestre

O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Centros comerciais e Lojas do Cidadão em Lisboa só reabrem a 04 de junho

Cartões de crédito e débito. Fotografia: Global Imagens

Malparado: 10% das famílias com crédito está em incumprimento

Dono do Pingo Doce paga 10 milhões em prémios em Portugal