fusão

DowDuPont. Nasceu um novo gigante químico

O negócio, uma das maiores fusões & aquisições deste ano em todo o mundo, poderá enfrentar um intenso escrutínio regulatório

O anúncio era aguardado há vários dias. A DuPont e a Dow Chemical, as duas maiores companhias norte-americanas da indústria química, anunciaram esta sexta-feira a fusão.

Nasce um novo gigante – a DowDuPont, com uma capitalização bolsista de 130 mil milhões de dólares, qualquer coisa como 120 mil milhões de euros). Para dar uma ideia da dimensão: é quase tanto como o valor de um resgate e meio da troika a Portugal.

O negócio, uma das maiores fusões & aquisições (F&A) deste ano em todo o mundo, poderá enfrentar um intenso escrutínio regulatório, por causa da concorrência, alerta a Reuters, prevendo-se que a nova empresa tenha de alienar alguns dos seus ativos e dividir-se em duas ou três áreas de atividade distintas.

Na indústria química, a DowDuPoint será segunda maior empresa, logo atrás da alemã BASF. O presidente executivo da DuPont, Ed Breen, assumirá a mesma função na nova empresa, enquanto o CEO da Dow Chemical, Andrew Liveris, será o futuro chairman.

“Este negócio é decisivo para a nossa indústria e representa a materialização da visão que temos há mais de uma década para unir estas duas poderosas empresas”, destacou Andrew Liveris. E não só. A grande vantagem da fusão é permitir às duas empresas, a atravessarem algumas dificuldades financeiras, cortar nos custos.

As previsões apontam para uma poupança de três mil milhões de dólares, mais de 2,7 mil milhões de euros. Com a fusão, os acionistas da Dow Chemical, que está presente no complexo industrial de Estarreja, vão receber por cada ação uma ação da DowDuPont; os acionistas da DuPont ficarão por cada ação com 1,282 ações da nova empresa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
DowDuPont. Nasceu um novo gigante químico