Dreamliner volta a ser o pesadelo da Boeing: Não há quem os compre

Dreamliner da Boeing
Dreamliner da Boeing

A Boeing está a enfrentar dificuldades para vender onze dos seus primeiros 787 Dreamliners, avaliados em 1,1 mil milhões de dólares.

Várias companhias aéreas estão a anular encomendas e a preferir outros equipamentos ao avião comercial da construtora Boeing. As dúvidas em adquirir o Dreamliner poderão estar relacionadas com os problemas técnicos que estes equipamentos têm enfrentado. Foram detectados vários erros nas baterias – algumas rebentaram – e até no desenho do corpo deste avião.

Veja o que aconteceu com o Dreamliner nos últimos meses

Depois de várias companhias terem reportado estes problemas, a Boeing teve de suportar vários encargos para reparar os equipamentos e, mesmo agora, alguns ainda estão ‘presos’ à espera de dono, o que parece estar difícil de acontecer.

De acordo com a agência Bloomberg, a russa Transaero Airlines retirou uma encomenda em dezembro, enquanto que a companhia aérea da Indonésia comunicou em janeiro que iria optar por Boeing 737 em vez dos cinco Dreamliners que tinha previsto. O recuo nas compras inclui ainda a RwandAir, que chegou a assinar uma carta de intenções em 2012, e que acabou por nunca efectivar.

A Transaero, Garuda e Malaysia Air não quiseram comentar as ações. Mas a RwandAir afirmou que os planos de aquisição de equipamentos ainda não são finais e que, pelo menos, até 2017 não iriam comprar quaisquer Boeing 787.

Douglas Kelly, responsável por avaliação de ativos, afirmou à Bloomberg que os primeiros 787 “continuam a apresentar um bom valor”. As melhorias colocam-nos tão bem posicionados como os novos equipamentos e, lembra Kelly, permitem 10% de poupança de combustível, acima do que é conseguido pelo Airbus A330, por exemplo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Restaurante de praia 
 Maré at Pine Cliffs 
(Maria João Gala /Global Imagens)

Pandemia faz disparar desemprego, mas verão alivia alguns setores

(JOSÉ COELHO/LUSA)

Cadeias de retalho contra desfasamento de horários. Aguardam publicação da lei

hipermercadocontinente-10-512c7deb70a7ca55484e2abb8c98e447c8dae639

Banco de Horas.Depois do não adiamento, Continente e Fnac avançam para referendo

Dreamliner volta a ser o pesadelo da Boeing: Não há quem os compre