Energia

Durão Barroso garante que nunca recebeu qualquer pressão da EDP

Durão Barroso, ex-presidente da Comissão Europeia
Durão Barroso, ex-presidente da Comissão Europeia

Antigo primeiro-ministro foi o primeiro chefe de Governo a responder às questões da comissão de inquérito que investiga os contratos CMEC.

O antigo primeiro-ministro Durão Barroso assegurou hoje que nunca recebeu “qualquer pressão da EDP”, nomeadamente na altura da sua governação em que foram desenhados os CMEC – Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual.

Esta posição é defendida numa das 23 respostas que Durão Barroso deu, por escrito, à comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade, documento a que a agência Lusa teve hoje acesso, sendo o único antigo chefe de executivo que, até ao momento, respondeu às perguntas dos deputados.

“Nunca recebi qualquer ‘pressão’ da EDP durante esse ou outro período”, assegurou.

Na pergunta 14, os deputados da comissão de inquérito perguntam ao antigo chefe do executivo se “alguma vez foi pressionado pela EDP durante o período de construção da legislação dos CMEC”.

Já sobre as declarações de João Talone, antigo presidente da elétrica, que mesma comissão de inquérito disse que a “EDP esteve fortemente envolvida” no desenho dos CMEC, Durão Barroso considerou ser normal.

“Parece-me absolutamente normal (o contrário é que seria de estranhar) o envolvimento nesse processo de todos os principais ‘players’, sobretudo aqueles diretamente ligados ao interesse do Estado”, defendeu.

Instado a fazer um balanço sobre os CMEC, o antigo primeiro-ministro deixou claro que “seria imprudente” fazê-lo, afirmando não estar em condições de se pronunciar sobre qualquer estimativa de custos.

“Trata-se de matéria em que não pretendo ter qualquer ‘expertise’ técnica e a qual não segui suficientemente para além, claro está, do papel (que plenamente assumo) que nela tive como primeiro-ministro, definindo as orientações políticas gerais, as quais estou seguro terem sido as adequadas do ponto de vista do interesse nacional”, destacou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Durão Barroso garante que nunca recebeu qualquer pressão da EDP