aviação

easyJet paga 3,5 milhões de euros para contornar Brexit

Pedido de licença dentro da UE já está a ter custos. Até final do ano são 3,5 milhões, mas fatura ascende a 11 milhões nos próximos anos.

Nos últimos seis meses, a easyJet desembolsou à volta de 1,2 milhões de euros só para desenhar os seus planos de reorganização de operação na União Europeia.

Em dia de apresentação de resultados, a companhia aérea confirmou que continua em busca de um novo país para pedir um novo certificado de operação aérea, de forma a evitar o fecho de fronteiras que o Brexit deverá trazer. Adiantou ainda que a fatura está longe de ficar por aqui: o novo pedido de AOC deverá custar 11,7 milhões de euros (10 milhões de libras) à transportadora, que terá de criar uma nova subsidiária europeia que passe a servir as rotas dentro da UE. Só até final deste ano o custo deverá ascender a 3,5 milhões de euros, 3 milhões de libras, detalhou a companhia aérea, que ainda não revelou qual o país escolhido.

“Esperamos ainda incorrer em custos à volta de 10 milhões de libras na revisão operacional num período de três anos, e mais de seis milhões de libras neste ano fiscal”, referiu ainda a companhia aérea.

No fecho do último semestre fiscal, terminado a 31 de março, a companhia aérea cresceu 9% em número de passageiros para 33,8 milhões de pessoas transportadas, com a receita a avançar 3,2% para 1,8 mil milhões de libras, dois mil milhões de euros.

A companhia registou m prejuízo, antes de impostos, de 212 milhões de libras, que justifica com a alteração do período da Páscoa, este ano, para a segunda metade do ano. Sem este factor, a perda reduzia-se para 85 milhões de libras.

“As nossas reservas para o verão estão acima das do ano passado, demonstrando que a procura por voar continua forte e prova que os consumidores estão a dar prioridade a despesas em voos e férias em detrimento de outros itens não essenciais”, detalhou a CEO da companhia, Carolyn McCall.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Trabalhos de descarga de contentores no Porto de Sines, 12 de fevereiro de 2020. TIAGO CANHOTO/LUSA

Exportações com quebra de 17% na primeira metade do ano

Isabel Camarinha, líder da CGTP, fala aos jornalistas após audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, em Lisboa, 30 de julho de 2020. (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

CGTP. Governo nega complemento a quem esteve em lay-off sem justificação

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

easyJet paga 3,5 milhões de euros para contornar Brexit