Imobiliário

Edifício do Hotel Florida vendido a investidor chinês

Praça Marquês de Pombal, Lisboa. Fotografia: D.R.
Praça Marquês de Pombal, Lisboa. Fotografia: D.R.

Valor não foi revelado, mas Dinheiro Vivo apurou que terá custado entre 10 e 20 milhões de euros. Novo dono já tem mais dois prédios em Lisboa

O edifício ocupado pelo Hotel Florida, situado em pleno Marquês de Pombal, em Lisboa, foi vendido a um investidor chinês, anunciou esta quarta-feira a consultora imobiliária CBRE, que esteve envolvida na operação.

O valor do negócio não foi divulgado, por questões de confidencialidade, mas segundo apurou o Dinheiro Vivo, o empresário chinês terá investido entre 10 e 20 milhões de euros neste prédio, que além do hotel inclui ainda escritórios, uma galeria comercial e o restaurante The Great American Disaster.

No total, são nove mil metros quadrados de área que foram comprados sendo que será preciso fazer alguns investimentos nos escritórios que não só estão praticamente vazios, como estão a precisar de reabilitação.

Já o hotel e a galeria comercial vão manter-se como estão e manter os mesmos inquilinos, ou seja, nem o hotel nem os lojistas vão ter de sair.

A operação, que ficou concluída no final do ano passado, foi a terceira que este investidor chinês já fez em Portugal, estimando-se que já tenha investido no país, mais precisamente em Lisboa, um total de 50 milhões de euros na compra de ativos imobiliários e todos eles na zona do Marquês de Pombal.

Além do edifício do Hotel Florida, comprou também o Marquês de Pombal 14, mesmo junto à antiga sede da EDP e que antes antes estava ocupado pela Axa. E ainda o edifício Duque de Palmela 23, hoje totalmente ocupado pela sociedade de advogados Uría Menéndez – Proença de Carvalho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A “golpada”, a falta de património e o risco todo no lado da CGD

Luís Castro Henriques .
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Luís Castro Henriques: “Portugal já não é um país de burocratas”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Edifício do Hotel Florida vendido a investidor chinês