Edmtech triplica capacidade produtiva de baterias para bicicletas elétricas

Empresa de Oliveira do Bairro tem capacidade para produzir 100 mil baterias ao ano. Até ao final do ano pretende duplicar o número de trabalhadores, que é atualmente de 30

A Edmtech triplicou a capacidade produtiva de baterias para bicicletas elétricas, passando a produzir cerca de 100 mil exemplares por ano, revelou o sócio-gerente desta empresa do concelho de Oliveira do Bairro, Paulo Alves.

"No ano passado decidimos apostar na área das baterias, triplicando a nossa capacidade de produção de baterias para bicicletas elétricas. Passámos a ter capacidade para produzir cerca de 100 mil baterias para bicicletas elétricas por ano", disse.

Em declarações à agência Lusa, o engenheiro eletromecânico explicou que esta empresa, com sede em Oiã, produzia duas a três mil baterias por mês até 2020.

"Agora conseguimos o triplo. Este investimento na capacidade produtiva era necessário para dar resposta às necessidades dos nossos clientes", justificou.

De acordo com Paulo Alves, a Edmtech - que completa este mês 11 anos - iniciou atividade na área da eletrónica, vendendo produtos para a indústria.

"Como a área do desenvolvimento nunca foi muito bem paga, há cerca de sete anos decidimos apostar na área das baterias e é aqui que nos temos destacado. Somos a única empresa em Portugal com capacidade de desenvolver baterias à medida das necessidades dos nossos clientes", evidenciou.

A empresa do distrito de Aveiro desenvolve e produz "todo o tipo de baterias a pedido do cliente, não só para bicicletas elétricas, mas também para trotinetes, pequenas embarcações ou até soluções para o fotovoltaico".

"Na área da mobilidade temos tido grande sucesso, destacando-nos em termos de qualidade e a preços apetecíveis. Somos empresa que se destaca nas baterias, em termos de desenvolvimento e conhecimento", acrescentou.

O sócio-gerente da Edmtech evidenciou a parceria com a Incycle, empresa líder europeia na assemblagem de bicicletas e que vai permitir oferecer "um serviço "premium" e diferenciador de entregas "just in time"".

"Temos grandes expectativas em termos de exportação para os próximos anos e tudo indica que vamos exportar mais do que vendemos para o mercado nacional", revelou ainda.

Nos primeiros meses de 2022 as vendas estão divididas entre o mercado nacional e o mercado internacional e, pela primeira vez na vida desta empresa, estimam exportar mais do que vendem para o mercado nacional, especialmente para países como Países Baixos, Alemanha e França, que figuram no grupo de 20 países para os quais exportam.

Com uma faturação de quase um milhão de euros em 2021, Paulo Alves perspetiva chegar ao final de 2022 "com a faturação duplicada, caso a conjuntura mundial permita que os projetos em curso se concretizem ainda este ano".

Para tal, a Edmtech conta também aumentar o número de trabalhadores, cerca de 30 atualmente, "para o dobro, até ao final do ano".

À Lusa, o engenheiro eletromecânico revelou ainda que outra das áreas que têm vindo a desenvolver diz respeito à reciclagem de todo o tipo de baterias de lítio.

"O mercado da reciclagem não é só reciclar. Primeiro é preciso receber, depois desmantelar e analisar as que são para reciclar e separar das que têm oportunidade de fazer um segundo ciclo", informou.

Para a Edmtech, o ambiente vem em primeiro" e, apesar de "Portugal ainda não ter massa crítica nesta área", acredita que no futuro terá um crescimento muito grande.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de