EDP faz aumento de capital de 1020 milhões para financiar compra da Viesgo

A EDP confirmou à CMVM, na tarde desta quarta-feira, que vai avançar para um aumento de capital de 1020 milhões de euros. A operação destina-se a financiar parcialmente a aquisição de 75,1% da espanhola Viesgo.

A elétrica portuguesa anunciou um acordo de compra definitivo com fundos geridos pela Macquarie Infrastructure and Real Assets (Europe) Limited para a aquisição da Viesgo, o que inclui ainda uma " parceria estratégica de longo-prazo com a MIRA (os fundos da Macquarie) para os negócios de redes de distribuição de electricidade em Espanha."

O comunicado esclarece que a EDP fica com 100% do neg´ócio renovável da Viesgo através da EDP Renováveis, o que inclui "24 parques eólicos e duas centrais mini-hídricas localizadas em Espanha e Portugal, com capacidade instalada líquida total acima de 500 MW, por um Enterprise Value de €565 milhões."

A EDP fica ainda com as duas centrais de geração térmica da Viesgo, localizadas no sul de Espanha, que podem "incorporar direito aos pontos de ligação à rede, de acordo com o “Green Deal Investment Plan and Just Transition Mechanism” da União Europeia, após o descomissionamento das centrais térmicas em 2021." Esta semana, a EDP anunciou o fecho antecipado das suas centrais térmicas na Península Ibérica.

A transação tem uma avaliação da empresa espanhola de 2,7 mil milhões e "o montante de 565 milhões de euros a ser pago pela EDPR à Viesgo pelo seu negócio renovável tem um rácio implícito de Enterprise Value sobre MW líquidos de €1,1 milhões."

A EDP investe 900 milhões de euros, o que "resultará na consolidação pela EDP da dívida financeira líquida existente na Viesgo de 1,1 mil milhões". Já os fundos da Macquarie investem 700 milhões. O comunicado sublinha que "após a conclusão da transacção, a EDP consolidará integralmente a Viesgo e terá representação maioritária no conselho de administração, com direito a nomear o Chairman, o CEO e o CFO."

A operação vai passar agora por todas as aprovações regulatórias e governamentais, a nível europeu e em Espanha, esperando-se que fique concluída até ao fim do ano. O financiamento será feito "através de uma oferta pública de subscrição de 1,020 milhões, um aumento de capital social com subscrição totalmente garantida até um máximo de 309.143.297 Novas Acções da EDP, representativas de um total de aproximadamente 8.45% do capital social da EDP".

A subscrição está "reservada a accionistas no exercício dos seus direitos de preferência e outros investidores que adquiram Direitos de Subscrição", sendo que a emissão de acções foi já aprovada esta quarta-feira pelo conselho de administração executivo da EDP, agora liderado por Miguel Stilwell de Andrade. O preço das novas ações vai ser de 3,30 euros, o que representa um desconto de 23%.

A estratégia da compra da Viesgo passa por aumentar o peso das redes de eletricidade e da energia renovável, "atividades chave para a transição energética, com perspetivas de forte crescimento a longo-prazo".

A Viesgo tem perto de 700 mil clientes no norte de Espanha, sendo o quarto maior distribuidor de energia no país. No fim de 2019, reportou um total de ativos de 1917 milhões e um EBITDA de 174 milhões (238 milhões, excluindo a contribuição das atividades de geração térmica).

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de