Energia

EDP perde energia no primeiro trimestre. Resultados caem 39% até março de 2019

António Mexia, CEO da EDP. (Fotografia: Sara Matos / Global Imagens)
António Mexia, CEO da EDP. (Fotografia: Sara Matos / Global Imagens)

O crescimento nas redes no Brasil, comercialização e renováveis foi anulado pela fraca produção hidráulica e eólica e pelos impostos pagos.

No primeiro trimestre de 2019, o resultado líquido da EDP caiu 39% face ao período homólogo, tendo ficado nos 100 milhões de euros. Por esta altura há um ano, em 2018, a empresa dava conta de um resultado líquido de 166 milhões de euros. Menos água das chuvas para encher as barragens e menos vento para fazer girar as turbinas (logo, menos produção hídrica e eólica), custos financeiros e impostos mais elevados, ajudaram a mitigar nos últimos meses o impacto positivo do crescimento da distribuição no Brasil e do aumento de capacidade renovável.

A empresa investiu nos três primeiros meses do ano 344 milhões de euros , menos 6% do que em 2018 (368 milhões): 222 milhões foram investidos em expansão (158 milhões em nova capacidade renovável nos EUA e Europa e 63 milhões nas redes, sobretudo no Brasil) e 122 milhões em manutenção (91 milhões em redes).

“O resultado líquido recorrente caiu 32% em termos homólogos, para 167 milhões de euros no primeiro trimestre de 2019, na medida em que o crescimento nas Redes no Brasil, Comercialização e a expansão do portfólio renovável foi anulado pelos efeitos de fracas hidraulicidade e eolicidade e elevada taxa efetiva de imposto no trimestre (27%), acima da taxa esperada para 2019”, refere a empresa em comunicado enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

No capítulo dos eventos não recorrentes, a EDP inclui menos 79 milhões em 2018, incluindo a contribuição extraordinária para o sector de energia (menos 66 milhões) e a diferença entre o ajuste final do CMEC (menos 13 milhões), e ainda menos 67 milhões em 2019 que dizem respeito também à contribuição extraordinária para o sector de energia feita pela EDP.

Também no primeiro trimestre, e em linha com o “foco estratégico” já anunciado pela EDP, “foi acordada a primeira transação asset rotation de 997 MW na Europa (participação de 51%) em abril de 2019, no valor de 800 milhões. O ganho esperado é de cerca de 200 milhões e a conclusão da transação é esperada para o segundo trimestre de 2019. A 13 de maio a EDP vendeu 609 milhões de défice tarifário relativo a 2019″, informa o mesmo comunicado.

A empresa deu conta que a sua capacidade instalada total aumentou 2% em termos homólogos, atingindo 27,2 GW no mês de março, “em resultado da entrada em operação de novos parques eólicos”. “74% do nosso portfólio corresponde a capacidade renovável. Em termos de produção total, o peso de renováveis ascendeu a 69% no primeiro trimestre”, ainda assim 13% abaixo dos 72% registados no período homólogo, refere o documento.

Quanto ao EBITDA (lucro antes de impostos, depreciação, amortização e juros) subiu 3% nos primeiros três meses do anos, para 921 milhões correspondendo a uma subida de 1% em termos recorrentes. “Os benefícios da expansão do portfólio (41 milhões) foram penalizados por um impacto negativo de 149 milhões causado pela fraca hidraulicidade e, de certo modo, fraca eolicidade. A hidraulicidade em Portugal diminuiu 48% e a eolicidade, em média, nas nossas geografias diminuiu 7%, face à média de longo prazo”, explicou a empresa.

Tendo em conta que a recuperação dos preços de venda de energia compensou parcialmente o efeito dos escassos recursos renováveis (+3% na eólica e solar, +14% no preço da pool na Península Ibérica devido à subida do custo das licenças de CO2), diz a EDP, o EBITDA recorrente das Renováveis recuou 6%, menos 30 milhões, de 591 para 556 milhões de euros. Nas Redes, o EBITDA subiu 11%, impulsionado pelo Brasil: mais 24 milhões para 243 milhões.

A elétrica dá ainda conta de uma subida de 17% para 17 milhões de euros no segmento Clientes e Gestão de Energia “suportado por uma normalização do contexto regulatório na atividade de comercialização em Portugal (depois de um ano de 2018 particularmente difícil)”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Angela Merkel e Donald Trump. Fotografia: REUTERS/Kevin Lamarque

FMI corta crescimento da Alemanha, mas Espanha ainda compensa

Outros conteúdos GMG
EDP perde energia no primeiro trimestre. Resultados caem 39% até março de 2019