Energia

EDP processa o Estado. Elétrica exige 717 milhões de euros

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes
António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

EDP reclama o direito a receber 717 milhões de euros relativos ao fundo de hidraulicidade, instrumento já extinto. Governo discorda.

A EDP avançou com uma ação administrativa contra o Estado no Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa. A empresa liderada por António Mexia reclama o direito a receber 717 milhões de euros relativos ao fundo de hidraulicidade, instrumento já extinto que servia para amortizar o impacto das secas no custo da energia, avança o Expresso, esta quinta-feira.

A ação deu entrada no tribunal na semana passada. E, de acordo com o semanário, está relacionada com um diferendo que dura há mais de dois anos.

Um grupo de trabalho apresentou uma proposta ao secretário de Estado da Energia, João Galamba, que defendia que o dinheiro remanescente da conta da hidraulicidade – 717 milhões de euros – revertesse a favor dos consumidores. A proposta teve o voto contra da EDP e a abstenção da REN – Redes Energéticas Nacionais.

A homologação da proposta foi realizada pelo secretário de Estado da Energia e pelos secretários de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, e da Defesa do Consumidor, João Torres. Mas, segundo o Expresso, a decisão ainda não chegou formalmente à elétrica.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

EDP processa o Estado. Elétrica exige 717 milhões de euros