Energias Renováveis

EDP testa painéis fotovoltaicos flutuantes em Montalegre

Projeto piloto da EDP, em Montalegre, corresponde a 840 painéis fotovoltaicos flutuantes que ocupam uma superfície de 2500 metros quadrados. Fotografia: Rui Oliveira / Global Imagens
Projeto piloto da EDP, em Montalegre, corresponde a 840 painéis fotovoltaicos flutuantes que ocupam uma superfície de 2500 metros quadrados. Fotografia: Rui Oliveira / Global Imagens

Projeto piloto junta a produção de energia solar e hídrica numa única infraestrutura, o que o torna inovador na Europa. Brasil também em vista

A EDP está apostada em aproveitar as centrais hidroelétricas que tem instaladas no país para nelas produzir, em simultâneo, energia solar, através da instalação de painéis fotovoltaicos flutuantes. O que permite reduzir o custo do investimento associado, na medida em que usa as infraestruturas já existentes nas barragens para escoar a energia produzida, ao mesmo tempo que evita a ocupação de solos. Para testar o potencial desta complementaridade solar e hidroelétrica foram instalados 840 painéis flutuantes na albufeira do rio Rabagão, em Montalegre.

Este primeiro protótipo, pioneiro a nível europeu, corresponde a um investimento de 450 mil euros e tem uma potência instalada de 220 kilowatts. Ou seja, produz energia equivalente ao consumo médio anual de 90 famílias. Os 840 paineis, assentes numa plataforma com 2500 metros quadrados, foram instalados em setembro, com o apoio, entre outros, da Ciel & Terre, empresa francesa especializada no fabrico dos paineis fotovoltaicos flutuantes, a sueca Seaflex, responsável pelos cabos de amarração, e a islandesa Hafbor Ehf, que teve a seu cargo a fixação da plataforma ao leito do rio.

A escolha da Barragem do Alto Rabagão não foi inocente. “Do ponto de vista técnico, este era o [local] mais desafiante. Se funcionar aqui, funciona em qualquer albufeira da EDP”, diz Miguel Patena, responsável do projeto. A profundidade da albufeira é de 60 metros, com o fundo granítico, e a oscilação do plano de água é da ordem dos 30 metros.

Com pouco mais de um mês de funcionamento – a central flutuante começou a produzir energia a 30 de novembro de 2016 -, a EDP Produção mostra-se “muito otimista” quanto ao projeto. Embora reconheça que, tal como está, a estrutura não é economicamente viável. Para isso há que aumentar a escala.

O objetivo ali, durante este ano, diz Miguel Patena, é confirmar os dados dos estudos que mostram que o rendimento dos painéis fotovoltaicos instalados na água é superior, em cerca de 12 a 15%, aos colocados em terra. Por outro lado, a solução flutuante ocupa três a seis vezes menos espaço do que uma instalação em terra, explica. Qualquer coisa como 1,2 hectares de superfície aquática por megawatt de potência instalada, versus os três a seis hectares necessários de solo.

Para ajudar à viabilização económica do projeto piloto, a EDP Produção recorreu à figura do autoconsumo, estando a instalação registada como uma unidade de pequena produção. “A tarifa, de 95 euros por megawatt/hora, obtida em leilão, ajuda-nos a compensar as perdas do investimento”, adianta.

A intenção é, não apenas avançar com estes painéis flutuantes noutras centrais hidrolétricas – das 80 que a empresa tem em Portugal, Miguel Patena admite que 10 têm uma escala importante que permitiria avançar com projetos semelhantes à escala de mercado -, mas, também, exportar o projeto. O Brasil é uma das hipóteses para a instalação destas centrais fotovoltaicas flutuantes. Um mercado que conta com “albufeiras gigantescas” e que, por isso, poderia receber instalações com uma capacidade de produção de 220 megawatts.

As energias renováveis são uma das grandes apostas da EDP Produção, que pretende, no final do ano, que 75% da sua potência instalada seja de origem renovável.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Filipe Amorim / Global Imagens)

Máximo dos Santos. “Sem venda do Novo Banco teríamos um elefante na sala”

venda-carros-novos-consumidor-2017-apresenta-leve-queda-album-886d083d8a98b46c22c0d6c819efd2597e8ce6fb

ASFAC: Crédito ao consumo mais caro vai afetar consumidores

Mário Centeno, ministro das Finanças. (Fotografia: Pedro Rocha / Global Imagens)

Ajustamento de Centeno será o terceiro maior do euro

Outros conteúdos GMG
EDP testa painéis fotovoltaicos flutuantes em Montalegre