EDP vai contratar 200 pessoas

António Mexia, CEO da EDP
António Mexia, CEO da EDP

A EDP está "em fase de renovação de quadros" e prepara-se para contratar cerca de 200 pessoas. A garantia foi dada pelo CEO da empresa, António Mexia, que disse ainda haver lugar para uns 200 estagiários.

O gestor explica, contudo, que apesar destas contratações, o objetivo de cortar nos custos mantém-se e a
ideia é mesmo reforçar esses cortes para 180 milhões de euros por ano
até 2017. O ano passado a redução foi de 120 milhões.

Para
Mexia, o
corte de custos tem sido um dos motivos para a empresa mostrar
resultados tão “fortes” apesar das adversidades que têm penalizado a
empresa, como os cortes nas rendas e a nova taxa extraordinária que
agora de prolongará também para 2015.

Estas contratações surgem
num momento em que a empresa vai começar a desenvolver uma estratégia de
contenção, com menos investimento e um crescimento mais moderado, e
ainda de procura de redução da dívida e do custo média da dívida.

O
novo plano de negócios foi apresentado quarta-feira, 14 de maio, em
Londres e tem como horizonte 2017, o ano em que a EDP deixa de ter os
famosos CMEC em Portugal, ou seja, em que os contratos que tem com o
Estado acabam e a empresa deixa de receber uma tarifa fixa e passa a
receber ao preço a que a produção e a venda de eletricidade estiverem no
mercado, onde os preços são mais voláteis e onde se pode perder mais
dinheiro.

Mas a EDP tem já um backup que lhe permite chegar a
2017 com 73% da produção baseada em contratos regulados, ou seja, com
tarifas fixadas e menos risco no negócio, sendo a maior parte deles nos
EUA e referentes a parques eólicos não só existentes como já contratados
no ano passado.

*Em Londres, a convite da EDP

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
EDP vai contratar 200 pessoas