EDP vai pagar coimas de 2,5 milhões ao Banco de Portugal

Empresa liderada por António Mexia não vai recorrer da aplicação de coimas por alegado incumprimento das regras dos serviços de pagamento.

A EDP não vai recorrer da aplicação de duas coimas impostas pelo Banco de Portugal no valor total de 2,5 milhões de euros, escreve o Negócios, esta quarta-feira. Em causa está um processo de contraordenação por alegado incumprimento do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, que a elétrica disse ter em curso em agosto do ano passado.

Na altura, foi referida uma contingência máxima de 10 milhões de euros, mas no início do ano, a EDP foi notificada da decisão do supervisor financeiro, tendo constituído "uma provisão no valor de 125 milhares de euros para a EDP SA e 2.250 milhares de euros para a EDP Soluções Comerciais", segundo o relatório divulgado pela elétrica citado pelo mesmo jornal.

Fonte oficial da empresa liderada por António Mexia avançou que a EDP "colaborou ativamente com o Banco de Portugal para esclarecer os factos", considerando, contudo, "que o regime jurídico dos serviços de pagamento não se aplica ao caso em concreto".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de