Mercado Imobiliário

EDP vende edifício no Marquês de Pombal a seguradora francesa

Edifício foi vendido ao grupo segurador francês SMA
Edifício foi vendido ao grupo segurador francês SMA

A EDP vendeu o edifício número 46 da Rua Camilo Castelo Branco, um dos imóveis da elétrica localizados no Marquês de Pombal, em Lisboa, ao grupo segurador francês SMA, que opera em Portugal através da subsidiária Victoria Seguros.

A transação, concretizada no final do ano passado, foi anunciada esta terça-feira durante a apresentação de resultados da CBRE, grupo imobiliário que assessorou o negócio, em colaboração com a EDP Imobiliária.

O edifício, originalmente construído para ser a sede do Credit Lyonnais em Portugal e atualmente detido pelo Fundo de Pensões da EDP, tem uma área de 4.830 metros quadrados de escritórios, 900 metros quadrados de arrecadações e 83 estacionamentos. A EDP irá permanecer no edifício como inquilina durante cerca de cinco anos.

Depois de ter vendido quatro edifícios nesta zona ao fundo norte-americano Global Asset Capital, em junho, a EDP vende, assim, o quinto edifício, numa altura em que está a construir a sua nova sede na Avenida 24 de Julho e um novo edifício na zona de Cabo Ruivo.

A nova sede da EDP, projetada pelo arquiteto Manuel Aires Mateus, deverá estar concluída este ano e irá acomodar cerca de 700 trabalhadores.

Também no ano passado, a CBRE assessorou mais dois edifícios na zona do Marquês de Pombal – o número 14 da Praça Marquês de Pombal e o número 36 da Rua Camilo Castelo Branco, nesta caso a investidor chinês. Os sete imóveis localizados nesta zona que foram transacionados totalizam 38 mil metros quadrados e um volume de investimento superior a 86 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

EDP vende edifício no Marquês de Pombal a seguradora francesa