Energia

EDP vende EDP Small Hydro aos alemães da Aquila por 164 milhões

António Mexia, presidente da EDP. Fotografia: Miguel A. Lopes/Lusa
António Mexia, presidente da EDP. Fotografia: Miguel A. Lopes/Lusa

A Small Hydro que detém, direta e indiretamente, 21 centrais mini-hídricas em Portugal

A EDP firmou um acordo com a Aquila Capital para a venda, por 164 milhões de euros, da totalidade do capital da EDP Small Hydro, que detém direta e indiretamente 21 centrais mini-hídricas em Portugal.

“A EDP, através da sua subsidiária EDP – Gestão da Produção de Energia, S.A., chegou a um acordo com a Aquila Capital para a venda de 100% da EDP Small Hydro, S.A. (“Small Hydro”), que detém sete centrais mini-hídricas e a Pebble Hydro – Consultoria, Invest. e Serv., Lda (“Pebble Hydro”) que, por sua vez, detém 14 centrais mini-hídricas”, lê-se num comunicado enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Segundo a elétrica portuguesa, as 21 centrais mini-hídricas em questão “têm uma concessão residual média de 14 anos, situam-se nas regiões Centro e Norte de Portugal e totalizam 103 MW [megawatts] de capacidade instalada”.

A EDP adianta que “o preço da transação acordado corresponde a um ‘enterprise value’ de 164 milhões de euros”, sujeito a “ajustes entre a presente data e a conclusão da operação”, que está ainda sujeita a aprovação pelas autoridades competentes.

Tal como a venda de 50% da EDP Produção Bioeléctrica S.A. à Altri, acordada a 31 de julho por 55 milhões de euros, esta transação enquadra-se na estratégia de “otimização do portfólio” da EDP, “através da alienação de atividades não estratégicas e de escala reduzida em Portugal, bem como da alocação destes fundos a outras áreas de crescimento”.

De acordo com os dados avançados pela EDP, o EBITDA (resultados antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) total da Small Hydro e da Pebble Hydro nos últimos 12 meses ascendeu a 21 milhões de euros.

A EDP reportou na quinta-feira uma quebra homóloga de 74% do lucro nos primeiros nove meses de 2018, para 297 milhões de euros, justificando que os resultados foram “fortemente penalizados” pela decisão do Governo sobre a alegada sobrecompensação dos CMEC (Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual).

Em comunicado enviado na quinta-feira à CMVM, a elétrica liderada por António Mexia explicou que constituiu uma provisão de 285 milhões de euros para fazer face a esta questão e que “o impacto desta provisão não recorrente no resultado líquido da EDP ascende a 195 milhões de euros, traduzindo-se num resultado líquido do grupo EDP de 297 milhões de euros” até setembro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Neto Leite, CEO da Groundforce.

Groundforce aposta na Portela e contrata mais 260 pessoas em 2019

Lisboa, 17/05/2016 - Conferência de Banca - O Presente e o Futuro do Setor Bancário, no Hotel Ritz em Lisboa.
Carlos Costa, Marcelo Rebelo de Sousa, Faria de Oliveira
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Marcelo sobre o caso CGD: “Há de chegar às minhas mãos”

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

ViaCTT. Fisco devolve coimas a mais de 8 mil contribuintes esta semana

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
EDP vende EDP Small Hydro aos alemães da Aquila por 164 milhões