Inovação

Efacec duplica vendas na mobilidade elétrica e garante estabilidade acionista

A Efacec inaugurou há um ano uma unidade industrial dedicada à mobilidade elétrica.
A Efacec inaugurou há um ano uma unidade industrial dedicada à mobilidade elétrica.

A produção de carregadores elétricos está em franco crescimento, estando a empresa a desenvolver um novo investimento que ascende a cinco milhões

A Efacec mais que duplicou as vendas na atividade da mobilidade elétrica, tendo atingido uma faturação de 36 milhões de euros no ano passado com esta área de negócio. Em simultâneo, a empresa detida maioritariamente por Isabel dos Santos criou mais 100 postos de trabalho neste ramo, respondendo agora por 210 colaboradores dedicados à produção de carregadores rápidos e ultrarrápidos para veículos elétricos.

A empresa, que hoje fez um balanço deste negócio – um ano após a inauguração da unidade na Maia -, tem agora em construção uma nova nave industrial, que irá albergar uma área de automação e gestão de energia com competências na área digital. Segundo Ângelo Ramalho, CEO da Efacec, “a componente de infraestruturas está já em construção”, mas o grande investimento será nos recursos humanos. Ainda assim, o projeto ascende a cinco milhões de euros.

Produção em crescimento
Ângelo Ramalho sublinhou que neste último ano a atividade da mobilidade elétrica triplicou a capacidade de produção para nove mil carregadores/ano. A exportação é o destino principal da produção, com os Estados Unidos e a Europa a destacarem-se entre os principais mercados (valem 90% deste negócio). Atualmente, os carregadores elétricos fabricados na Maia estão presentes em 45 países.

De acordo com o presidente executivo do grupo, a Efacec está a trabalhar para clientes como o Electrify America, British Petroleum, Shell, Transport of London, Volvo, Nissan, entre outros. Em simultâneo, a empresa está a participar num consórcio Ultra-E, que vai criar uma rede de carga ultrarrápida piloto na Europa.

O crescimento da mobilidade elétrica em várias geografias mundiais permite antever que o volume de negócios da Efacec na área dos carregadores irá crescer para 65 milhões já este ano. O objetivo é que esta área pese num futuro próximo 15% na atividade global do grupo. Hoje em dia representa 6%.

Estabilidade acionista
Apesar das controvérsias despoletadas pela saída da Empresa Nacional de Distribuição de Eletricidade angolana do capital da Efacec, decretada no verão passado pelo presidente de Angola, o grupo português está estável e a seguir a estratégia iniciada em 2015.

Mário Leite da Silva, presidente do conselho de administração da Efacec, garantiu ao Dinheiro Vivo que os atuais acionistas (numa referência à empresária angolana Isabel dos Santos) “entraram numa perspetiva de longo prazo, de criar valor, postos de trabalho qualificados”. E frisou: “Estamos profundamente satisfeitos e os resultados alcançados até agora demonstram uma estratégia de futuro”, recordando que está em curso uma “nova fábrica de automação e gestão de energia, um projeto muito positivo”.

Este balanço da atividade da mobilidade elétrica contou com a presença do comissário europeu para a área da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas. O responsável visitou a Efacec para transmitir que a prioridade europeia está no combate às alterações climáticas e que é relevante contar à União Europeia o que se faz em Portugal que possa contribuir para esse paradigma, como é o caso dos carregadores elétricos da Efacec.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Efacec duplica vendas na mobilidade elétrica e garante estabilidade acionista