Indústria

Efacec ganha concurso para quatro centrais fotovoltaicas em Portugal

Ângelo Ramalho, presidente da Efacec
Ângelo Ramalho, presidente da Efacec

As centrais fotovoltaicas que a Efacec vai executar equivalem à plantação de cerca de 70 mil árvores

A Efacec acaba de ganhar em concurso a execução de quatro centrais fotovoltaicas em Portugal. A empresa vai instalar centrais nos Açores, Beja, Vila Nova de Famalicão e Guimarães. Segundo avança em comunicado, estes projetos equivalem à plantação de cerca de 70 mil árvores.

As centrais fotovoltaicas de Vila Nova de Famalicão e Guimarães, com uma capacidade de 1,43 MW e de 1 MW respetivamente, foram adjudicadas pelo grupo TMG. Estes projetos vão evitar a emissão de 5.850 toneladas de CO2, o equivalente à plantação de 37 mil árvores, gerando, ao mesmo tempo, energia para 1.049 habitações.

Nos Açores, concretamente na ilha de Santa Maria, a Efacec ganhou o concurso público internacional lançado pela EDA Renováveis para a execução de uma nova central com a capacidade de 600 kW. A nova unidade permitirá abastecer cerca de 500 habitações e previne a produção de 504 toneladas de CO2.

A EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva adjudicou à Efacec a central fotovoltaica de Moura com 1 MW, em Beja, que permitirá a distribuição de energia para 801 habitações. Neste caso, será evitada a emissão de 901 toneladas de CO2, o equivalente à plantação de cerca de 20 mil árvores. Segundo o grupo português, este projeto destaca-se pela utilização de tecnologia de seguidor de um eixo que permite otimizar a produção de energia, a partir do sol, ao longo do dia.

Dentro desta área de atividade, a Efacec tem em pipeline projetos na Europa, América Latina e África.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

O dia, segunda-feira de Páscoa, prejudicou a concentração dos ex-operários junto à casa-mãe, a Miralago. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Ex-operários tentam evitar saída de máquinas da Órbita

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abrãao, numa manifestação. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

FESAP. Inspetores do Estado podem ficar 10 anos sem progredir nas carreira

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Efacec ganha concurso para quatro centrais fotovoltaicas em Portugal