Efacec

Efacec ganha contrato de 10 milhões na Guiné para sistema elétrico

Vanessa Loureiro (vogal) e Ângelo Ramalho (CEO) apresentaram resultados de 2016 da Efacec.
Foto: Global Imagens
Vanessa Loureiro (vogal) e Ângelo Ramalho (CEO) apresentaram resultados de 2016 da Efacec. Foto: Global Imagens

Empresa portuguesa assinou ontem de manhã contrato para sistema de evacuação de energia elétrica com 6 quilómetros e duas subestações em Bôr

A Efacec assinou ontem de manhã um contrato com o governo da Guiné-Bissau para a construção de um sistema de evacuação de energia elétrica e duas subestações da nova central elétrica de Bôr, no valor de 10 milhões de euros. A obra deve arrancar ainda este ano e terá um prazo de execução de 17 meses, no caso das subestações, e de onze meses posteriormente, para a rede elétrica.

“É o corolário de um processo em que participámos, para o reforço da capacidade da central elétrica. O contrato diz respeito ao Lote 1, que inclui duas subestações”, explicou Rolando Rodrigues, administrador da Efacec, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo. As subestações serão de 30 por 10 quilowatts e serão responsáveis por ligar a nova central elétrica à capital, Bissau.

Segundo o mesmo responsável, no contrato está também incluido o sistema de evacuação de energia elétrica, através de uma linha de pouco mais de seis quilómetros. “A assinatura do contrato decorreu esta manhã [de ontem], o resto das conversações decorrem nos próximos meses e até ao fim deste ano esperamos ter a obra no terreno”, acrescentou ainda o administrador da Efacec ao DV.

“Este contrato, orçado num montante de aproximadamente 10 milhões de euros foi adjudicado à Efacec, empresa portuguesa com uma vasta experiência no ramo, na sequência de um concurso público internacional, para o qual conseguimos mobilizar financiamento junto do Banco Oeste Africano de Desenvolvimento e da União Económica Monetária da África Ocidental”, comentou já o ministro da Energia da Guiné, Florentino Mendes Pereira, citado ontem pela agência Lusa.

Para o governante, este contrato assim como a negociação em curso de um protocolo com o Instituto Superior de Engenharia do Porto para a formação de engenheiros eletrotécnicos e eletromecânicos, são sinais de que a Guiné-Bissau pode e deve ser novamente um destino de eleição para os investidores portugueses. “O país quer contar com a boa vontade e disponibilidade das instituições políticas e diplomáticas portuguesas no grande desafio que constitui o desenvolvimento socioeconómico do país”, afirmou o ministro, à Lusa.

Contrato na Ruanda

O contrato ontem assinado na Guiné-Bissau pela Efacec surge menos de um mês depois da empresa ter garantido um outro de idêntica dimensão no Ruanda. Em meados de maio a empresa anunciou ter ganho o projeto de engenharia, fornecimento, supervisão e comissionamento de três novas subestações no Ruanda, um contrato de 10,5 milhões de euros para a distribuição de eletricidade em zonas rurais daquele país.

Em comunicado então divulgado, a Efacec explicou que o contrato tem como prazo de execução18 meses e que passa por uma obra que irá “escoar os 80 megawatts produzidos na Central de Biomassa de Mamba para a rede elétrica nacional”. Este projeto está entre os eleitos pelo governo ruandês para cumprir o objetivo de, até 2018, ter 70% das famílias com acesso a energia elétrica, contra os atuais 25%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o primeiro-ministro indigitado, António Costa, durante uma audiência para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Primeira reunião do novo governo marcada para sábado a seguir à tomada de posse

Outros conteúdos GMG
Efacec ganha contrato de 10 milhões na Guiné para sistema elétrico