Empresas

Efacec ganha contrato de 10,5 milhões no Ruanda

O objetivo do Governo do Ruanda é conseguir, até 2018, que 70% das famílias do país tenham acesso a energia elétrica, contra os atuais 25%.

A Efacec ganhou o projeto de engenharia, fornecimento, supervisão e comissionamento de três novas subestações no Ruanda, um contrato de 10,5 milhões de euros que permitirá a distribuição de eletricidade em zonas rurais daquele país.

Em comunicado, a empresa portuguesa diz ter sido escolhida pelo consórcio vencedor do concurso internacional lançado pela República do Ruanda para a construção das três novas subestações de 200 kV (quilovolts), que “são essenciais para distribuir eletricidade até às zonas rurais deste país africano, nomeadamente Rwabusoro, Mamba e Rilima”.

“A capacidade e competência técnica da área de subestações de alta tensão da Efacec determinou a escolha por parte da empresa vencedora do concurso – a STEG International Services, da Tunísia – para a realização do projeto de engenharia, fornecimento, supervisão e comissionamento das três novas subestações em regime de chave-na-mão”, refere.

Segundo adianta, este contrato tem um valor de cerca de 10,5 milhões de euros e um prazo de execução de 18 meses, sendo a obra “fundamental para escoar os 80 MW (megawatts) produzidos na Central de Biomassa de Mamba para a rede elétrica nacional”.

O projeto insere-se no objetivo do Governo do Ruanda de conseguir, até 2018, que 70% das famílias do país tenham acesso a energia elétrica, contra os atuais 25%.

De acordo com a Efacec, a parceria agora estabelecida com a STEG resulta do contrato para execução de subestações que está atualmente a desenvolver na Tunísia para aquela empresa.

A Efacec Power Solutions (EPS) é uma empresa portuguesa que produz produtos para transmissão e distribuição de energia (transformadores, ‘service’, aparelhagem de média e alta tensão e automação), opera em sistemas integrados (EPC – Engineering, Procurement and Contracting) para os setores de energia, ambiente, indústria e transporte ferroviário e desenvolve soluções para mobilidade elétrica, nomeadamente sistemas de carregamento de energia.

A EPS desenvolve a sua atividade em vários mercados internacionais como Espanha, Europa Central, Estados Unidos da América, América Latina, Brasil, Magrebe, África Austral e Índia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Pedro Fernandes

Há mais de 500 mil imóveis a pagar “imposto Mortágua”

coronavirus juros

BCE. Estado deverá assumir 5% a 10% das perdas dos créditos garantidos

portugal covid 19 coronavirus

1342 mortos e 31007 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Efacec ganha contrato de 10,5 milhões no Ruanda