retalho

El Corte Inglés cria uma agência imobiliária

Foto: DR
Foto: DR

Nova unidade de negócio irá integrar todas as áreas do grupo relacionadas com a atividade imobiliária, como de construção, arquitetura, e decoração.

O El Corte Inglés decidiu criar uma nova unidade de negócio focada na promoção, construção e gestão de ativos imobiliários – El Corte Inglés Real State. A nova unidade de negócio irá integrar todas as áreas do grupo relacionadas com a atividade imobiliária, tirando partido da experiência das suas equipas de construção, arquitetura, engenharia, decoração, entre outros, avança o El País.

O grupo dos grandes armazéns é uma das empresas com maior património imobiliário em Espanha, contando com uma ampla experiência no desenvolvimento de projetos imobiliários, nomeadamente centros comerciais. A nova empresa vai reunir um grande património, do qual fazem parte os 93 centros comerciais em Espanha e Portugal, os 41 Hipercor e Supercor, terrenos e outros ativos. Segundo a sociedade Tinsa, o património imobiliário do grupo está avaliado em 17 milhões de euros.

Assim, o El Corte Inglés Real State nasce como um novo operador do mercado imobiliário que prestará serviços tanto ao grupo como a empresas externas.

A operação insere-se dentro da estratégia desenhada pelo diretor executivo o do grupo, Víctor del Pozo, para gerar um maior valor acrescentado aos imóveis e melhorar a sua rentabilidade. Neste contexto, a operação Green, que se traduz na venda de ativos imobiliários não estratégicos, é incluída no novo projeto.

Apesar das várias ofertas de interesse recebidas nos últimos meses, o grupo optou por desenvolver o negócio internamente e aproveitar, desse modo, todas as vantagens do mercado.

À frente da nova unidade de negócio estará Javier Catena, que se juntou ao grupo em março e que conta com uma ampla experiência no mercado imobiliário.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
El Corte Inglés cria uma agência imobiliária