Trabalho

Em 2020, 46% das empresas preveem contratar mais pessoas

(D.R.)
(D.R.)

Apesar de a tendência ser elevada, 48% das organizações afirma que irá manter o número de funcionários e 6% prevê a redução do seu número.

No próximo ano, 46% das empresas têm intenções de contratar novos colaboradores. A conclusão é do estudo Total Compensation Portugal 2019 realizado pela Mercer, que analisou este ano mais de 111,6 mil postos de trabalho em 430 empresas no mercado nacional.

Apesar de a tendência de recrutamento ser elevada, 48% das organizações afirma que irá manter o número de funcionários e 6% prevê a redução do seu número.

O estudo indica que cerca de 85% das empresas fazem a revisão salarial uma vez por ano. “No período das revisões salariais, a percentagem de incremento atribuída aos colaboradores é determinada por um conjunto de fatores que influenciam diretamente o valor disponibilizado para esse fim”, refere a Mercer. Nesse sentido, destacam-se fatores como os resultados individuais do colaborador, o posicionamento na grelha salarial e os resultados da empresa.

Este ano, os aumentos salariais situam-se, em média, entre 1,97% e 2,32%, variando consoante os níveis de responsabilidade. Nas previsões para o próximo ano, o estudo verifica um ligeiro aumento percentual para alguns dos grupos. A maior variação do aumento salarial previsto para 2020 acontece nos cargos comerciais e de vendas. Chefias intermédias, quadros superiores e administrativos são as posições que verão um aumento salarial menor no próximo ano.

A Mercer analisou ainda o salário-base anual dos recém-licenciados, no primeiro emprego, que se situa tendencialmente entre os 12704 euros e os 16594 euros.

No que diz respeito aos principais benefícios atribuídos pelas empresas em Portugal, destacam-se as áreas da saúde, pensões, férias e educação.

A maioria das empresas (92%) concede um plano médico aos seus colaboradores. O seguro de saúde é muitas vezes extensível aos familiares, mas em muitos casos, o custo para a extensão é comparticipado pelo colaborador.

Quanto às pensões, 43% das empresas participantes no estudo atribui aos seus colaboradores um Plano de Pensões, dos quais 17% são de Beneficio Definido e 48% de Contribuição Definida, sendo os restantes Planos Mistos (35%).

Cerca de 60% das empresas concede dias de férias extras aos seus colaboradores, o que representa um aumento de 4% em relação a 2018. Em 36% das empresas participantes no estudo da Mercer, as despesas associadas à educação dos colaboradores são asseguradas pela empresa (em média em cerca de 69% do custo total), estabelecendo-se em alguns casos um valor máximo limite. Cerca de 28% das empresas participantes atribuem subsídio escolar aos filhos dos colaboradores e cerca de 12% concede subsídios de creche.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (D), e o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (E), participam na conferência de imprensa no final de uma reunião, em Loures. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Costa: “Há países que foram colocados em listas vermelhas por retaliação”

João Rendeiro, ex-gestor do BPP

João Rendeiro, ex-presidente do BPP, condenado a pena de prisão

O deputado do Partido Social Democrata (PSD) Ricardo Batista Leite. (RODRIGO ANTUNES/LUSA)

PSD quer transferir reuniões do Infarmed para o parlamento

Em 2020, 46% das empresas preveem contratar mais pessoas