Trabalho

Em 2020, 46% das empresas preveem contratar mais pessoas

escritórios-capa-8b4d2e90eee4d6adc8f265db4d1f2c4bbb90824f

Apesar de a tendência ser elevada, 48% das organizações afirma que irá manter o número de funcionários e 6% prevê a redução do seu número.

No próximo ano, 46% das empresas têm intenções de contratar novos colaboradores. A conclusão é do estudo Total Compensation Portugal 2019 realizado pela Mercer, que analisou este ano mais de 111,6 mil postos de trabalho em 430 empresas no mercado nacional.

Apesar de a tendência de recrutamento ser elevada, 48% das organizações afirma que irá manter o número de funcionários e 6% prevê a redução do seu número.

O estudo indica que cerca de 85% das empresas fazem a revisão salarial uma vez por ano. “No período das revisões salariais, a percentagem de incremento atribuída aos colaboradores é determinada por um conjunto de fatores que influenciam diretamente o valor disponibilizado para esse fim”, refere a Mercer. Nesse sentido, destacam-se fatores como os resultados individuais do colaborador, o posicionamento na grelha salarial e os resultados da empresa.

Este ano, os aumentos salariais situam-se, em média, entre 1,97% e 2,32%, variando consoante os níveis de responsabilidade. Nas previsões para o próximo ano, o estudo verifica um ligeiro aumento percentual para alguns dos grupos. A maior variação do aumento salarial previsto para 2020 acontece nos cargos comerciais e de vendas. Chefias intermédias, quadros superiores e administrativos são as posições que verão um aumento salarial menor no próximo ano.

A Mercer analisou ainda o salário-base anual dos recém-licenciados, no primeiro emprego, que se situa tendencialmente entre os 12704 euros e os 16594 euros.

No que diz respeito aos principais benefícios atribuídos pelas empresas em Portugal, destacam-se as áreas da saúde, pensões, férias e educação.

A maioria das empresas (92%) concede um plano médico aos seus colaboradores. O seguro de saúde é muitas vezes extensível aos familiares, mas em muitos casos, o custo para a extensão é comparticipado pelo colaborador.

Quanto às pensões, 43% das empresas participantes no estudo atribui aos seus colaboradores um Plano de Pensões, dos quais 17% são de Beneficio Definido e 48% de Contribuição Definida, sendo os restantes Planos Mistos (35%).

Cerca de 60% das empresas concede dias de férias extras aos seus colaboradores, o que representa um aumento de 4% em relação a 2018. Em 36% das empresas participantes no estudo da Mercer, as despesas associadas à educação dos colaboradores são asseguradas pela empresa (em média em cerca de 69% do custo total), estabelecendo-se em alguns casos um valor máximo limite. Cerca de 28% das empresas participantes atribuem subsídio escolar aos filhos dos colaboradores e cerca de 12% concede subsídios de creche.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Em 2020, 46% das empresas preveem contratar mais pessoas