EmanaGreen

EmanaGreen quer trazer o papel de pedra para Portugal

Papel de pedra. Fotografia: D.R.
Papel de pedra. Fotografia: D.R.

A EmanaGreen é a única empresa distribuidora na Península Ibérica do papel de pedra, quer entrar, este ano, em Portugal

A EmanaGreen é a única empresa distribuidora na Península Ibérica do papel de pedra, quer entrar, este ano, em Portugal, com a abertura de duas sucursais, em Lisboa e no Porto.

A ideia para a criação deste produto surgiu quando Joan Ricart e Ignacio Schmidt, fundadores
da empresa, se deixaram inspirar por um trabalho feito em papel mineral, na School of Visual
Art of New York. A sua condição ecológica e de resistência motivou-o a contactar o seu
inventor, produtor e proprietário da patente, dando origem à EmanaGreen em 2010.

Para o CEO da empresa o papel de pedra é “um produto diferenciador, com características distintas e reconhecimento notável, garantindo sempre o cumprimento de valores fortemente ecológicos sem condicionar a adequação do produto aos seus pressupostos”.

Trata-se de um papel inovador, elaborado pelo conglomerado do Tawain TLM, e reconhecido pela certificação ecológica Cradle to Creadle como infinitamente reciclável. A sua produção requer cerca de menos 50% de energia em relação ao papel tradicional e não precisa de água nem de madeira para a sua elaboração, nem de qualquer adição de químicos. É fabricado com 80% de carbono cálcico e 20% de polietileno de alta densidade, permitindo a impressão em quase todos os sistemas atuais, incluindo as novas impressões digitais.

“Uma tonelada de papel de pedra, que é composta de poeira mineral e 20% de polietileno, evita o abate de 10 metros cúbicos de madeira e o consumo de 110 toneladas de água, mas também oferece melhor desempenho do que o papel normal, que é impermeável, resiste a graxa e óleo e tem um toque sedoso, muito elegante “, acrescenta o CEO.

A empresa domina o mercado ibérico e colabora na logística e desenvolvimento de novas aplicações do produto, com parceiros em Inglaterra, Alemanha e França.

Em 2017, a EmanaGreen superou os 750.000 euros, mais de 35% em relação a 2016. E para 2018, prevê um ritmo de crescimento semelhante, com base num plano estratégico assente no desenvolvimento de novas aplicações e na captação de novos clientes.

A penetração em mercados em que os produtos de PVC são expressivos é também um pressuposto estratégico da empresa, atendendo à competitividade dos seus preços.

A marca comercializa através da sua rede comercial, nomeadamente para profissionais de artes gráficas, de etiquetagem, de sacos, posters, cadernos, mapas, cartões de crédito em PVC. O produto também pode ser adquirido através da sua plataforma oficial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: NUNO FOX/LUSA

Costa: “Depois deste ano nada poderá ficar como antes”

Mário Centeno, ministro das Finanças, com Pierre Moscovici, comissário europeu. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Governo promete a Bruxelas ser bom aluno em 2018

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Mínimo de existência acaba com IRS para 54 mil recibos verdes

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
EmanaGreen quer trazer o papel de pedra para Portugal