aviação

Embraer prepara rescisões voluntárias no Brasil e revê negócios no mundo

Fotografia: EPA/José Sena Goulão
Fotografia: EPA/José Sena Goulão

Empresa brasileira reduziu perspetivas de entregas de aeronaves até final do ano

A fabricante aeronáutica brasileira Embraer informou hoje que vai lançar um programa de rescisões voluntárias no Brasil e admitiu estar a estudar formas de otimização de custos nas sucursais em todo o mundo.

A empresa quer reduzir, com várias medidas, as suas despesas anuais em cerca de 200 milhões de dólares (180,4 milhões de euros), disse à agência Lusa a assessoria da gigante brasileira.

“Nesta segunda-feira (hoje), a empresa informou os seus empregados que adotará medidas para reduzir custos em todas as suas unidades e negócios em todo o mundo”, lê-se no comunicado da empresa, onde é referido o “Plano de Desligamento Voluntário (PDV) para funcionários das unidades do Brasil”.

Frisando que o plano “oferece um pacote atraente de benefícios”, a empresa esclareceu que “todas as definições relativas ao PDV estão ainda a ser estudadas e serão divulgadas ao término desse processo, que deve levar algumas semanas”.

Embraer apresenta novo avião militar com engenharia portuguesa

Em causa, justifica a gigante brasileira, está “o cenário desafiador observado no mercado aeroespacial global”, o que levou a empresa a reduzir “as suas estimativas de entregas de aeronaves e de resultados para o ano”.

A 29 de julho, a empresa informou que teve um prejuízo líquido de 337,3 milhões de reais (93,1 milhões de euros) no segundo trimestre, contrariando o resultado positivo do mesmo período do ano passado.

A assessoria da Embraer explicou à que não há previsão do número de trabalhadores a incluir no PDV, porque ele insere-se num conjunto de medidas para redução de custos que também inclui alterações nos stocks e contratos com fornecedores.

A Embraer conta com mais de 19.000 funcionários em todo o mundo, 17.000 dos quais no Brasil, segundo a assessoria.

Frisando que o programa de rescisões voluntárias “é especificamente para o Brasil”, até porque “existe uma questão de legislações diferentes”, a assessoria da empresa esclareceu que os cortes no exterior poderão passar “provavelmente por redução de stocks” e alterações em “contratos com fornecedores”.

Contudo, ao ser questionada sobre se demissões no exterior estão fora de questão, a assessoria respondeu que “está tudo sendo estudado”, ainda que neste momento o PDV seja para funcionar só no Brasil.

No sábado, num jantar com o Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, em São Paulo, no Brasil, o presidente da Embraer, Paulo César de Souza e Silva, destacou a capacidade de Portugal “absorver tecnologia”, o que pesou na decisão da empresa de instalar no país o seu primeiro centro de engenharia na Europa.

Presidente da Embraer: Portugal sabe “absorver tecnologia”

Na ocasião, o presidente da construtora aeronáutica mostrou-se “muito contente” com os investimentos na OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, em Alverca, no distrito de Lisboa, e na fábrica em Évora.

“Os dois investimentos são bastante importantes para as nossas operações e vamos ter um crescimento muito importante nos próximos anos, à medida que os nossos aviões novos começarem a ser entregues a partir de 2018, a fábrica de Évora vais ser especialmente importante”, afirmou.

O investimento da empresa brasileira em Portugal é de 280 milhões de euros, nas duas unidades, tendo previsto chegar aos 400 milhões de euros em 2018.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Restaurante em Vila Real de Santo António. (LUÍS FORRA / LUSA)

Destruição de emprego na pandemia é toda à custa de trabalhadores mais pobres

Fotografia: D.R.

Proprietários receiam extensão das moratórias das rendas comerciais

Aviao TAP

TAP reforça rede em outubro: 82 rotas e 666 voos semanais no plano

Embraer prepara rescisões voluntárias no Brasil e revê negócios no mundo