contrato

EMEL gasta 633,5 mil euros em vestuário e calçado

Fotografia: Nuno Fox
Fotografia: Nuno Fox

Empresa municipal de Lisboa tinha 500 trabalhadores no final de 2016, o que dá um gasto médio de 1267,04 euros por funcionário.

A EMEL – Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa vai gastar 633,5 mil euros (mais IVA) na compra de fardamento e calçado para os seus trabalhadores.

O contrato publicado esta terça-feira no portal Base revela que a aquisição foi feita à empresa Latino Confeções após concurso público e por um prazo de três anos.

Tendo em conta que a EMEL tinha 500 trabalhadores no final de 2016, de acordo com o último relatório e contas disponível, o vestuário agora comprado representa gasto médio de 1267,04 euros por cada funcionário.

A EMEL não divulgou os anexos com as especificações (quantidades e tipo de vestuário) do contrato. O documento publicado refere apenas que o preço inclui “todos os custos referentes ao “fornecimento do fardamento” e “todos os ensaios previstos” no contrato.

“Os ensaios exigidos no presente contrato referem-se a cada tipo de matéria-prima e por cada cor, tendo em conta os pontos 4 (calçado e cintos) e 7 (vestuário) de cada dossier técnico”, lê-se no documento publicado no portal Base.

O contrato determina ainda que “os montantes previstos incluem uma parcela do preço contratual que é constituída por um conjunto de peças de fardamento a ser entregue de acordo com o previsto na alínea c) do nº1 da cláusula 11ª, conforme disposto no anexo IV – mapa de quantidades do caderno de encargos, em conformidade com os preços unitários constantes da proposta adjudicada, que só será acionada por escrito pela EMEL em função das suas necessidades”.

“A não utilização da parcela referida no número anterior, não obriga a EMEL a efetuar qualquer pagamento, seja a que título for”, lê-se ainda no contrato.

O contrato estabelece ainda que a Latino Confeções terá de promover “uma prova individualizada de modo a aferir os tamanhos de cada um dos colaboradores da EMEL, em moldes a combinar” até 45 dias após a assinatura do contrato.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

Galamba. “Atirar moeda ao ar para escolher entre projetos solares é errado”

Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

Galamba. “Atirar moeda ao ar para escolher entre projetos solares é errado”

Fotografia: Britain, May 24, 2019. Fotorafia: REUTERS/Hannah McKay

Theresa May demite-se e deixa Downing Street a 7 de junho

Outros conteúdos GMG
EMEL gasta 633,5 mil euros em vestuário e calçado