estacionamento

EMEL terá conseguido receitas de 30 milhões em 2015

Foto: Globalimagens
Foto: Globalimagens

Este montante, inclui todo o tipo de receitas da empresa que gere o estacionamento da capital, ou seja, pagamentos voluntários e multas.

A EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa terá conseguido receitas de 30 milhões de euros em 2015, disse ao Dinheiro vivo o presidente Natal Marques, lembrando que as contas ainda não estão totalmente fechadas.

Este montante, inclui todo o tipo de receitas da empresa que gere o estacionamento da capital, ou seja, pagamentos e contraordenações, adiantou o mesmo responsável sem especificar se as multas subiram no ano que passou.

Leia mais: Adeus moedas. EMEL melhora app que paga parquímetro no telemóvel

Natal Marques notou apenas que é preferível para a empresa que o estacionamento seja pago do que receber as multas porque estas representam receitas tardias enquanto que o estacionamento que é pago na hora é uma receita imediata.

Aliás, o ePark, a app que lançaram oficialmente a semana passada e que permite pagar os parquímetros com o telemóvel vai precisamente nesse sentido, ou seja, ao facilitar o pagamento e permitindo que as pessoas paguem sem ter de se descolar ao carro ou arranjar moedas pode fazer com que elas paguem mais, evitando assim que a empresa passe multas ou que bloqueie os carros.

Leia mais sobre empresas de estacionamento aqui.

“O objetivo é sempre aumentar as receitas pela via do pagamento voluntário e não pelas multas”, acrescentou.

A EMEL gere já 24 parques de estacionamento, segundo a informação disponibilizada no site, e mais 50 mil lugares à superfície. O objetivo é, contudo, reforçar estes lugares na rua com mais 10 mil durante este ano de 2016, chegando aos 60 mil lugares de estacionamento pagos na cidade de Lisboa.

Contudo, Natal Marques recorda que nem todos estes lugares serão pagos da mesma forma. “Estender a atividade da EMEL a todo o concelho não se traduz em lugares pagos, há também lugares para residentes”, notou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

EMEL terá conseguido receitas de 30 milhões em 2015