aviação

Emirados podem fazer voar maior transportadora aérea do mundo

Foto: EPA/ALI HAIDER
Foto: EPA/ALI HAIDER

A Emirates está a analisar a hipótese de compra da vizinha Etihad. Negócio pode criar gigante da aviação civil maior que a American Airlines.

A Emirates, transportadora do Dubai, pode avançar para a compra da Etihad, companhia de aviação do emirado vizinho de Abu Dhabi, num negócio capaz de gerar a maior companhia de aviação comercial do mundo.

A intenção é avançada pela Bloomberg, segundo a qual as conversações estarão numa fase preliminar. Fonte ouvida pela agência afirma que a compra permitiria à Etihad manter o seu braço de manutenção. As conversações, junta, ainda podem cair por terra. E também exigem aprovação das autoridades de ambos os emirados.

O valor combinado das duas companhias, escreve a Bloomberg, superaria aquele que o mercado atribui à American Airlines, a atual maior transportadora do mundo, de 19,2 mil milhões de dólares.

A Etihad apresentou no ano passado prejuízos de 1,52 mil milhões de dólares, acumulando perdas de 3,5 mil milhões de dólares desde 2016. Nos últimos anos, teve uma série de investimentos falhados, entre os quais o da Air Berlin, e foi afetada pela quebra das economias da região com a descida do preço do petróleo. A agência de ratings Fitch afirmou recentemente que a companhia deverá continuar a apresentar perdas até 2022.

A Ethiad tem vindo a negociar com a Airbus e Boeing para reduzir as encomendas de aeronaves feitas quando pretendia aumentar a frota para o dobro.

A Emirates, por seu turno, é a maior transportadora em termos de rotas internacionais – a quarta incluindo mercados domésticos – e possui a maior frota do mundo de Airbus A 380, além de várias aeronaves Boeing 777.

A Bloomberg diz que uma das dificuldades às sinergias do negócio é a duplicação de rotas entre as companhias rivais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Emirados podem fazer voar maior transportadora aérea do mundo