estudo

Empreendedoras vêem ferramentas digitais como essenciais para o negócio

mulheres, ferramentas digitais, empreendedoras
Fonte: Pixabay

O estudo International Own Business Study revela ainda que há 37% das mulheres que querem ter negócio próprio.

A propósito do Dia Internacional da Mulher, assinalado esta sexta-feira, são reveladas algumas das conclusões do estudo, ligadas ao universo feminino. As mulheres já representam 42% do bolo total de proprietários de negócio próprio. Nesta segunda edição do estudo, desenvolvido a nível internacional pelo grupo alemão METRO, onde está incluída a Makro Portugal, foram inquiridas mais de dez mil pessoas, em dez países, com Portugal incluído.

Uma percentagem considerável das empreendedoras portuguesas (85%) aponta que as ferramentas digitais são essenciais para assegurar a gestão do negócio no dia-a-dia. Este valor está acima da média dos países inquiridos, que se situa nos 79%.

Apesar de considerarem as ferramentas digitais como um recurso importante para o negócio, só 38% das mulheres inquiridas tem uma página na Internet para divulgar o seu negócio. Menos de metade (47%) recorrem às redes sociais para publicitar os seus bens e serviços.

Em Portugal, 37% de mulheres afirmam que gostariam de ter o seu próprio negócio. No entanto, apenas 2% das mulheres concretizaram esta ideia. O resultado português está ligeiramente abaixo dos níveis internacionais: 40% das mulheres gostaria de arrancar com negócio próprio, mas só 3% acaba por concretizar essa ideia.

As maiores entraves ao negócio também são claras para as empreendedoras portuguesas: 25% considera que encontrar financiamento é a fase mais difícil de todo o processo. A manutenção do negócio próprio é também outro desafio muito mencionado.

Traçando o retrato das empreendedoras portuguesas, 65% das empreendedoras portuguesas tem menos de 45 anos. No panorama geral, os valores são menos díspares: 49% das proprietárias de negócios próprios têm menos de 45 anos, contra 51% das mulheres acima dos 45 anos.

Este estudo revela ainda que 82% das empreendedoras portuguesas voltaria a abrir o seu negócio, mostrando que não se arrependem da decisão tomada. A segunda edição do estudo foi feita em Portugal, Alemanha, Índia, Itália, Rússia, Espanha, Turquia, Roménia, República Checa e Portugal, com um total de dez mil participações.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Empreendedoras vêem ferramentas digitais como essenciais para o negócio