empreendedores

Empreendedorismo já tem (quase) tudo para vingar em Portugal

ANJE dedica três dias ao empreendedorismo no Porto

A Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) está a promover, entre hoje e quinta-feira, um ciclo de iniciativas denominado "A Maioridade do Empreendedorismo - Ideias, Projetos e Ecossistemas", assinalando em simultâneo os 18 anos da Academia dos Empreendedores. Um dos pontos altos foi a apresentação, esta tarde, do "Estudo Internacional de Empreendedorismo".

“Mais do que debater o empreendedorismo jovem, objetivo que também valorizamos, discutindo, interpretando e apontando caminhos para definitivamente afirmar Portugal como uma Nação Startup, tendo, de resto, reunido à nossa volta os mais importantes players nacionais para o fomento de sinergias, quisemos organizar sessões de trabalho com startups de base tecnológica”, explicou João Rafael Kohler, presidente da ANJE, referindo-se às sessões de coaching, pitch e networking empresarial, bem à mostra de startups inovadoras e centros de I&D+i que decorre na Casa do Farol e no Espaço Locomotiva, no Porto.

Um dos pontos altos da iniciativa foi, esta tarde, a apresentação do “Estudo Internacional de Empreendedorismo”, um documento produzido pela ANJE, no âmbito do PIP – Projeto Inovação Portugal e com base em estudos de casos de sucesso de startups nacionais, fazendo o diagnóstico do empreendedorismo em Portugal e das tendências ao nível da iniciativa empresarial inovadora.

Uma das conclusões do estudo refere que Portugal possui agora “uma multiplicidade de incubadoras, espaços de co-working, centros de transferência de tecnologia e parques tecnológicos”, mas “falta agora acompanhar este enorme salto que foi dado em equipamentos com um esforço complementar na sua capacidade de gestão”, dado que os casos estudados evidenciam que “o retorno do investimento é multiplicado sempre que as competências de gestão permitem criar uma atmosfera empreendedora”. Deverá partir de quem gere esses equipamentos o acompanhamento do “projeto, promovendo a sua evolução num processo consciente de teste e validação” em que em “os empreendedores e os seus projetos são estimulados a ir para o mercado rapidamente à procura de vencer novas etapas de crescimento”.

Outra importante conclusão refere que, apesar de Portugal possuir mais doutorados por habitante do que outros países economicamente mais desenvolvidos, a “valorização económica do conhecimento residente nas instituições científicas e tecnológicas portuguesas é ainda insuficiente”, ou seja, há pouca aplicação prática do conhecimento nas empresas. Para contrariar este problema, o estudo sugere a “promoção de uma cultura para a iniciativa” nas escolas, nos diversos graus de ensino, ao mesmo tempo que se trabalha na “dinamização de uma política pública que interligue o conhecimento residente nas universidades, os centros de transferência de tecnologia e as necessidades de inovação das empresas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

Empreendedorismo já tem (quase) tudo para vingar em Portugal