Hotelaria e Restauração

Emprego em restauração e bebidas em mínimos de 8 anos

AHRESP e Governo ultimam detalhes técnicos do regresso da taxa do IVA da restauração para 13%. Fotografia: Paulo Alexandrino / Global Imagens
AHRESP e Governo ultimam detalhes técnicos do regresso da taxa do IVA da restauração para 13%. Fotografia: Paulo Alexandrino / Global Imagens

AHRESP negoceia com Governo detalhes sobre a redução da taxa de IVA na restauração a partir de 1 de julho

2015 foi o ano com mais baixo emprego dos últimos 8 anos para a restauração e bebidas. Esta é a análise da Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) e que indicam que houve menos 17.700 postos de trabalho (-6,4%) face a 2014, de acordo com um comunicado enviado às redações esta segunda-feira.

A associação baseia-se nos dados do emprego do INE, divulgados na semana passada, e que também que, face a 2011, foram perdidos 31.700 postos de trabalho, uma quebra de 10,9%. 2011 foi o último ano que o IVA na restauração foi de 13%.

Sobre o imposto, a entidade aplaude a reposição da taxa, dos 23% para os 13%, a partir de 1 de julho, tendo decidido “continuar as negociações com o governo para a definição dos últimos detalhes técnicos, no tocante à problemática da diferenciação das taxas de algumas bebidas, numa prestação de serviços que é unívoca – o serviço de refeições”.

A AHRESP refere-se ainda aos dados do Banco de Portugal sobre as contas das empresas. Desde 2011 que se acentuam os rácios de créditos vencidos, “com elevadas percentagens” de empresas com lucros antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA) e capitais próprios negativos.

A associação concluiu que “urge reverter esta tendência, e que as nossas empresas, em conjunto com o governo, saberão encontrar novos caminhos para o crescimento e para a recuperação económica, para a recapitalização, e para a criação de novos, e imprescindíveis, postos de trabalho”, segundo o comunicado.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O sismo da Terceira de 1980
(Arquivo DN)

Risco de sismo é real. Seguradores querem fundo prioritário no próximo governo

O sismo da Terceira de 1980
(Arquivo DN)

Risco de sismo é real. Seguradores querem fundo prioritário no próximo governo

João Galamba, Secretário de Estado da Energia 
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

João Galamba: “Há diferença entre encontrar rendas excessivas e cortá-las”

Outros conteúdos GMG
Emprego em restauração e bebidas em mínimos de 8 anos