Tecnologia

Portuguesa Aptoide já negoceia com Huawei para ser alternativa à Google

Aptoide | Paulo Trezentos | Álvaro Pinto
Paulo Trezentos, à esquerda, e Álvaro Pinto, à direita, são os dois fundadores da loja de aplicações Aptoide. Foto: Paulo Spranger/Global Imagens

Aptoide é uma das maiores alternativas à loja de conteúdos da Google, tendo mais de 900 mil aplicações e 200 milhões de utilizadores ativos.

A empresa portuguesa Aptoide, que tem aquela que é uma das maiores alternativas à loja de conteúdos Google Play, está a negociar uma parceria com a Huawei após a suspensão de serviços feita pela Google. A informação foi confirmada à DN Insider por Paulo Trezentos, diretor executivo da Aptoide.

“Vemos esta notícia como uma oportunidade interessante de mercado para criar uma parceria com a Huawei e resolver este problema que surgiu para eles. Estes contactos já vêm de trás, eu próprio já me reuni com um dos responsáveis da Huawei e o meu colega responsável pelo escritório de Shenzhen (China) tem andado em contacto. Quando saiu a notícia voltamos a falar para saber se havia aqui uma oportunidade de colaboração”, explica o CEO.

“Os contactos estavam vivos, temos trocado emails, temos feito reuniões e eles têm mostrado interesse, portanto reavivamos esse contacto”, acrescentou ainda o executivo português.

A Aptoide tem mais de 900 mil aplicações disponíveis na sua loja de conteúdos para o sistema operativo Android e tem mais de 200 milhões de utilizadores. A empresa já trabalha com três dos maiores fabricantes chineses de smartphones, nomeadamente a Xiaomi, Oppo e Vivo.

Leia também | Huawei já tem alternativa preparada caso não possa usar o Android

O modelo de uma eventual parceria não está definido, mas pode acontecer de duas formas: a loja de aplicações da Aptoide vir instalada de origem nos smartphones da Huawei ou a Huawei integrar, através de interface de desenvolvimento (API), os conteúdos da loja Aptoide na sua própria loja.

“Temos aqui vários produtos diferentes e é perceber qual o enquadramento que poderia ou não fazer sentido para eles”, atirou ainda Paulo Trezentos.

A Huawei já tem a sua própria loja de aplicações, mas a sua utilização está acima de tudo focada na China, onde os serviços da Google não estão disponíveis.

Excluída fica já a possibilidade de a Aptoide aceitar uma proposta de aquisição da Huawei, caso a situação da suspensão dos serviços da Google venha a manter-se. “Não faz parte do nosso horizonte a curto prazo, porque tal como esta oportunidade surgiu, estão sempre a surgir novas oportunidades nesta área e sentimos que este crescimento que temos vindo a fazer não tem parado. Temos ainda muitos desafios para endereçar antes de eventualmente pensar numa fusão ou aquisição”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Foto: TIAGO PETINGA/LUSA

Bruxelas pede a Centeno 1,4 mil milhões em novas medidas para acertar OE2020

Faria de Oliveira, presidente da APB.

Banca portuguesa entre a que mais se desfez de ativos tóxicos na Europa

5G NOS

NOS anuncia Matosinhos como “primeira cidade” em Portugal com cobertura 5G

Outros conteúdos GMG
Portuguesa Aptoide já negoceia com Huawei para ser alternativa à Google