Coronavírus

Empresários dizem que “não faz sentido” reabrir discotecas como pastelarias

Concentração de proprietários de bares e discotecas apelam ao direito a reabrir após terem sido fechados devido à pandemia de Covid-19, em junho.
( Ana Fonseca / Global Imagens )
Concentração de proprietários de bares e discotecas apelam ao direito a reabrir após terem sido fechados devido à pandemia de Covid-19, em junho. ( Ana Fonseca / Global Imagens )

José Gouveia, da reativada Associação Nacional de Discotecas, questiona se o governo "quer aniquilar o setor".

Os empresários de diversão noturna consideram que “não faz sentido” os bares e discotecas, encerrados em março devido à covid-19, passarem a funcionar como cafés e pastelarias, a partir de sábado, questionando o Governo se quer “aniquilar o setor”.

“Em relação às discotecas e aos bares, que laboram única e exclusivamente à noite, não muda nada. Não há aqui nenhuma alteração, não há aqui nenhum benefício, não há aqui nada a declarar”, salientou à agência Lusa José Gouveia, da reativada Associação Nacional de Discotecas.

De acordo com o também porta-voz do movimento “O Silêncio da Noite”, os espaços continuam sem permissão para abrir e os empresários estão à espera dos apoios do Estado para fazer face aos prejuízos provocados pela inatividade dos estabelecimentos de diversão noturna.

“Aquilo que nós continuamos a aguardar são os apoios do Estado para a manutenção dos espaços encerrados, porque não se entende – no que está decretado – que as discotecas vão virar pastelarias ou ‘snack-bar’, ou restauração, ou o que seja”, referiu, recordando que o setor encontra-se “no quinto mês com custos e sem receitas” e “as insolvências são diárias”.

José Gouveia, que também é presidente da Associação de Discotecas de Lisboa, interrogou ainda “se o Estado de uma vez por todas quer aniquilar o setor”, uma vez que os empresários estão a atravessar por um período difícil.

“Agosto será o sexto mês. É um verão que já está perdido para regiões como o Algarve e outras que são consideradas zonas balneares. Existe uma série de espaços que são polivalentes, mas nunca poderiam trabalhar até as 20:00. Não faz qualquer sentido”, apontou.

Para José Gouveia, não faz qualquer sentido transformar todos os bares e as discotecas em pastelarias e ‘snack-bar’, porque a restauração “não está a viver os seus melhores tempos”.

“Nem sequer há clientes para esse ramo. Estamos numa altura de verão em que as pessoas estão de férias. Durante o período de férias, neste horário [abertos até às 20:00], estão nas noutras atividades”, observou.

Os bares e discotecas, encerrados desde março devido à pandemia de covid-19, vão poder funcionar a partir de sábado, 01 de agosto, como cafés e pastelarias, seguindo as mesmas regras, anunciou hoje o Governo.

Em conferência de imprensa após a reunião semanal do Conselho de Ministros, em Lisboa, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, explicou que, no contexto da “situação epidemiológica do país mais controlada”, foi determinada “a possibilidade de os estabelecimentos que são bares na sua origem funcionarem enquanto pastelarias e cafés, seguindo as mesmas regras de distanciamento que estas instituições têm”.

A ministra esclareceu que os bares e discotecas continuam encerrados, permitindo-se apenas que os que queiram funcionar como cafés e pastelarias o possam fazer “sem alterar a sua atividade” oficialmente, como estava a acontecer.

“Se e quando queiram funcionar numa outra categoria que existe e tem semelhanças do ponto de vista da organização dos espaços, podem fazê-lo sem alterar a sua atividade”, referiu.

Os bares e discotecas que optem por esta possibilidade podem funcionar até às 20:00 na Área Metropolitana de Lisboa e até às 01:00 (com limite de entrada às 24:00) no resto do território continental, como a restauração.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Só 789 empresas mantiveram lay-off simplificado em agosto

Empresários dizem que “não faz sentido” reabrir discotecas como pastelarias