Moçambique

Empresas amigas do Parque Nacional da Gorongosa sobem para 25

Fotografia: Grant Lee Neuenburg / Reuters
Fotografia: Grant Lee Neuenburg / Reuters

O número dos membros do Clube Empresarial da Gorongosa passou hoje para 25, na sequência de um memorando.

O número dos membros do Clube Empresarial da Gorongosa passou hoje para 25, na sequência de um memorando assinado entre o Parque Nacional da Gorongosa (PNG), o maior santuário da vida selvagem de Moçambique, e o Barclays Bank.

Na ocasião, o administrador-delegado do Barclays Bank, Rui Barros, anunciou que a sua instituição vai disponibilizar 125 mil dólares (106 mil euros) para as atividades do PNG.

“É sem dúvida uma responsabilidade apoiar, de uma forma sustentável e próxima, o parque, queremos dar as mãos e seguir de uma forma conjunta, partilhando os mesmos valores de preservação e sustentabilidade da fauna e apoiando as comunidades”, declarou Rui Barros.

Por seu turno, o administrador do PNG, Mateus Mutemba, enalteceu o envolvimento do setor empresarial no apoio àquele local, assinalando que, em 2018, a ajuda perfez 6% dos cerca de sete milhões de dólares (5,8 milhões de euros) do orçamento do parque.

“Estas contribuições têm estado a ser direcionadas para áreas de investigação nas populações de leões e de elefantes existentes no parque e no santuário da fauna bravia, e para áreas sociais, em crianças vulneráveis e raparigas”, afirmou Mateus Muthemba.

Depois de décadas de abandono, devido à guerra civil de 16 anos e que terminou em 1992 em Moçambique, o PNG tem nos últimos anos conhecido um movimento de repovoamento de animais que estavam extintos, nomeadamente leões e elefantes.

O parque está igualmente a afirmar-se como um polo de investigação científica da vida animal, atraindo pesquisadores de várias partes do mundo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
CTG

OPA EDP. Estado chinês trava OPA rivais europeias à EDP, diz FT

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: D.R.

TAP: “Todos os negócios têm risco”

Cristina Casalinho, Presidente da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública. Fotografia: Direitos Reservados

Portugal coloca 1.250 milhões com juros a subirem tanto no prazo de 3 e 11 meses

Outros conteúdos GMG
Empresas amigas do Parque Nacional da Gorongosa sobem para 25