mobilidade

Empresas de trotinetes da Europa tentam juntar-se contra gigantes dos EUA

Exemplos de trotinetes eléctricas espalhadas por Lisboa.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)
Exemplos de trotinetes eléctricas espalhadas por Lisboa. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

Alemães da Tier e suecos da Voi chegaram a negociar fusão no final de 2018. Temem forte concorrência da Lime e da Bird no Velho Continente.

O mercado da partilha de trotinetes elétricas tem crescido rapidamente em toda a Europa e nos Estados Unidos, onde já existe mais uma dezena de empresas a funcionar. Só que este crescimento tão rápido pode consequências a breve prazo: no final de 2018, os alemães da Tier e os suecos da Voi iniciaram negociações para uma potencial fusão e, desta forma, responder à vinda dos gigantes norte-americanos Lime e Bird para o Velho Continente.

As conversas iniciaram-se nos últimos meses do ano passado mas acabaram por não ter qualquer efeito, adianta esta segunda-feira a Bloomberg, citando fontes ligadas ao processo.

O presidente executivo da Voi, Frederik Hjelm, disse que “vários operadores europeus” também tentaram juntar-se à empresa sueca mas que não houve qualquer resultado.

O diretor-geral da Tier, Lawrence Leuschner, garantiu que a empresa “vai continuar a todo o gás com os planos de expansão, de forma isolada”. Mas avisa que em algum momento “vai haver consolidação neste mercado.

Uma potencial fusão entre a Tier e a Voi teria impacto no mercado português de partilha de trotinetes, onde ambas as empresas estão presentes e concorrem com a Lime, Hive, Bungo e Flash.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
NOVA SBE, em Carcavelos.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Nova SBE: Pública, financiada por privados e aberta a todos

Fotografia: REUTERS/Henry Nicholls - RC122C9DD810

Cartas de Boris Johnson causam surpresa e perplexidade em Bruxelas

Fotografia: EPA/NEIL HALL

Brexit: Governo britânico reitera compromisso de cumprir saída a 31 de outubro

Outros conteúdos GMG
Empresas de trotinetes da Europa tentam juntar-se contra gigantes dos EUA