Vodafone IoT Conference

Empresas devem colaborar para expandir ecossistema de IOT

30617945_GI28022018FILIPEAMORIM0389

A troca de experiências e uma maior colaboração permitirá solidificar o panorama de internet das coisas em Portugal, dizem os oradores. Para que o mercado amadureça mais depressa e as soluções IoT se espalhem a mais organizações, é importante que as empresas que fornecem tecnologia colaborem umas com as outras. Foi o que indicou André Lourenço, CEO da CardioID, à margem da conferência.

“Nestas áreas onde temos de avançar depressa, uma das chaves é funcionar em parceria e tentar encontrar complementaridades”, afirmou, sublinhando a importância de eventos como a Vodafone IoT conference, que permitem às empresas conversar e estabelecer parcerias. “Os operadores são ótimos por causa da conectividade e terem infraestrutura, depois toda a parte sensorial e algoritmos vêm de todas estas empresas. Estamos a atuar num nicho que complementa muito as outras áreas.”

Esse foi um dos objetivos enunciados pelo CEO da Vodafone Portugal, Mário Vaz, durante a abertura do evento: “Se no final dedicarem algum tempo a pensar o que é que o IoT pode fazer e que vantagens pode trazer para as vossas organizações, sentiremos o dever cumprido.”
Nuno Ferreira, da ThinkDigital, destaca o fator de segurança trazido por um operador internacional. “O facto de estarmos num evento cheio mostra que há uma necessidade muito grande de as empresas perceberem como é que vão incorporar isso no negócio delas e otimizar operações, melhorar a qualidade de vida das pessoas e, obviamente, aumentar os lucros”, sublinhou.

Filipe Lopes, wireless tech lead da Cisco Portugal, indica que a IoT “não é só uma buzzword” e que são cada vez mais as empresas e regiões interessadas naquilo que podem retirar da tecnologia. “Todos vamos beneficiar disto e Portugal tem um papel relevante aqui, porque vemos que temos uma posição dentro da Europa de early adopters e muitas tecnologias foram testadas cá primeiro.”

Pelo Millennium bcp, Sérgio Magalhães diz que “é importante aprender com os outros e perceber que há todo um mundo em evolução”, enquanto Cristóvão Cleto, da Crossing Answers, acredita que a discussão poderá abrir caminho para novos projetos. “É bom comunicar o que se faz em Portugal.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Patrick Drahi lidera grupo Altice. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Altice “culpa” demora da decisão dos reguladores para fim do negócio com TVI

Altice Logo 2

Analistas. “É difícil vermos uma nova tentativa de aquisição pela Altice”

Outros conteúdos GMG
Empresas devem colaborar para expandir ecossistema de IOT