Cimeira UE-China

Empresas europeias querem “resultados concretos” da China

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, reuniu-se em Bruxelas com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.  EPA/OLIVIER HOSLET
O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, reuniu-se em Bruxelas com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. EPA/OLIVIER HOSLET

As barreiras de acesso ao mercado voltaram a ser motivo de críticas no dia em que Bruxelas e Pequim se reuniram em cimeira, com fracos resultados.

A Associação Europeia das Câmaras de Comércio e Indústria (Eurochambers) pediu esta terça-feira “resultados concretos” da China, nomeadamente na eliminação de barreiras no acesso ao mercado chinês, após uma cimeira bilateral com mais intenções do que resultados.

“As empresas europeias querem ver resultados concretos e emergentes para operadores económicos da União Europeia [UE] após a cimeira de hoje, em questões como uma maior abertura do mercado, a proteção das indicações geográficas e ainda a criação de condições mais equitativas para as empresas da UE na China”, salienta a Eurochambers num comunicado enviado à agência Lusa.

De acordo com aquela entidade, “estes são elementos cruciais para as empresas continuarem a construir uma parceria tão valiosa e tão estratégica como a que existe entre a UE e a China”.

Citado pela nota, o presidente da Eurochambers, Christoph Leitl, insiste que “as palavras não bastam, são necessárias ações concretas, num prazo razoável, para benefício do sistema [comercial] multilateral, mas também do próprio relacionamento bilateral”.

Segundo este responsável, a “Europa não consegue encetar sozinha” uma reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), pelo que a China “deve atuar rapidamente para rever e mitigar alguns dos problemas do seu modelo económico” no comércio externo.

“Acho que alguns dos nossos parceiros estão a agir mal ao subestimar a importância e a urgência de preservar a OMC”, vinca Christoph Leitl.

O responsável afirma ainda ser “dececionante” que, após cinco anos de negociações entre a UE e a China, ainda não tenha sido possível “compatibilizar as ambições [económicas] das duas partes e não exista uma meta realista para que isso aconteça”.

Criada em 1958, a Eurochambers representa mais de 20 milhões de negócios em toda a Europa, a quase totalidade de pequenas e médias empresas (PME), sendo composta por 46 câmaras de comércio e de indústria, incluindo a portuguesa.

A nota foi divulgada após uma cimeira bilateral entre a UE e a China realizada hoje em Bruxelas.

Numa declaração conjunta divulgada após a ocasião, foram assumidos compromissos como a mobilização de esforços para a reforma da OMC e a intensificação de conversações bilaterais sobre subsídios industriais e sobre condições de igualdade nos acessos aos mercados.

Porém, não é dito como isso será feito, pelo que, para traçar a cooperação nesta área do comércio, a China e a UE vão “reunir-se assim que possível”, segundo o documento.

Numa cimeira que os analistas já esperavam ter poucos resultados, foram ainda reafirmados compromissos na área da cibersegurança, do combate às alterações climáticas e da defesa.

Na cimeira participaram os presidentes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu, Jean-Claude Juncker e Donald Tusk, respetivamente, assim como primeiro-ministro chinês, Li Keqiang.

Marcaram ainda presença a Alta Representante da UE para a Política Externa, Federica Mogherini, e o vice-presidente da Comissão Europeia para o Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade, Jyrki Katainen.

A China é dos maiores parceiros económicos da UE, juntamente com os Estados Unidos, tendo sido, no ano passado, o principal mercado de importação para os países da União, num total de 394 mil milhões de euros.

No que toca às exportações da UE, foi o segundo país destinatário, num total de 210 mil milhões de euros, segundo dados do gabinete de estatísticas da UE, o Eurostat, referentes a 2018.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

Foto: DR

EDP flexibilizou pagamento de faturas no valor de 60 milhões de euros

Carteiros

CTT vão entregar cartão de cidadão em casa. Piloto arranca em Oeiras

Empresas europeias querem “resultados concretos” da China