estudo

Empresas ou famílias? Quem viveu acima das suas possibilidades?

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Autores do estudo "A poupança e o financiamento da economia portuguesa" referem que as empresas portuguesas estão entre as mais endividadas.

Quem é que afinal viveu acima das possibilidades em Portugal? A resposta é dada por Fernando Alexandre, um dos quatro economistas da Universidade do Minho que elaboraram o estudo “A poupança e o financiamento da economia portuguesa” que é hoje apresentado.

Em declarações à TSF, o especialista referiu que a culpa da crise e do resgate da “troika” se deveu aos números negativos do Estado e das empresas portuguesas e não das famílias. “As empresas portuguesas estão no grupo das mais endividadas do mundo (as terceiras co mais passivo na OCDE, ao contrário das famílias que apesar de muito endividadas não estão tanto, em percentagem do PIB, como em muitos outros países”. O economista adianta ainda que “os empresários portugueses retiram os lucros das empresas, não os mantêm lá e não os investem”.

O estudo, feito a pedido da Associação Portuguesa de Seguradores, pretende fazer um retrato da poupança em Portugal e mostra que as famílias portuguesas são das que menos poupam em toda a Europa. Mas há mais: são as pessoas com idade mais avançada aquelas que conseguem poupar uma maior percentagem do seu rendimento ao final do mês. Já a parte da população que está em idade ativa poupa pouco.

Um fenómeno que se pode explicar, na visão dos autores, pelo facto dos rendimentos das famílias estarem estagnados há vários anos e, como tal, a prioridade das famílias está a ser dirigida para outros objetivos, como o investimento na educação dos filhos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Governo formaliza aumento de 55 euros para assistentes operacionais

imobiliario

Taxa de juro no crédito à habitação volta a subir em janeiro

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, durante o terceiro e último dia do 37.º Congresso Nacional do PSD a decorrer no Centro de Congressos de Lisboa, em Lisboa, 18 de fevereiro de 2018. MÁRIO CRUZ/LUSA

Rio acusa Governo de ser “incapaz” de ter o futuro como prioridade nacional

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Empresas ou famílias? Quem viveu acima das suas possibilidades?