aviação

Empresas portuguesas vão ao México conquistar Airbus e Bombardier

aero

Dez empresas nacionais vão entrar no setor da aeronáutica mexicana. Primeiro teste chega em setembro

O México quer ter 420 empresas de construção, manutenção e produção de aviões e faturar 10 mil milhões na indústria aeroespacial até 2020. Com um crescimento de 21% ao ano, este país da América Latina já é considerado o novo Eldorado da aviação. E as empresas portuguesas também querem conquistar uma fatia do negócio.

“Nos últimos dois anos entraram 100 novas empresas portuguesas no mercado mexicano, muito ligadas à indústria automóvel. Agora queremos levar 10 empresas para o mercado aeroespacial, disse ao Dinheiro Vivo Pedro Nuno Neto, coordenador do Portugal Connect, um projeto lançado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso Mexicana. O financiamento virá dos fundos do Portugal 2020 de apoio à internacionalização, geridos pela Aicep.

A experiência de “conhecer pessoas, costumes, hábitos e até a gastronomia” será um trunfo para passarem a fornecer peças para os gigantes da aviação, diz a Neológica.

O primeiro passo é levar um grupo de empresas portuguesas à Aerospace Summit Mexico, que decorre em Querétaro – o estado que move 40% da indústria da aviação do país -, a 29 e 30 de setembro e que vai pôr os negócios nacionais frente a frente com grandes multinacionais como a Boeing, Airbus ou Bombardier – alguns exemplos entre as várias centenas que já se concentram naquele país.

A Neológica é uma das portuguesas que vai marcar presença nesta montra. Especializado na indústria automóvel, e a produzir moldes no México há quase 18 anos, Fernando Marques não tem dúvidas de que a experiência de “conhecer pessoas, costumes, hábitos e até a gastronomia” será um trunfo para passarem a fornecer peças para os gigantes da aviação.

Nos últimos dez anos, o México recebeu cerca de 2900 milhões de euros de investimento estrangeiro no setor aerospacial, o que lhe permitiu exportar mil milhões de euros em 2014.

“A aeronáutica é um mundo de grandes dimensões e temos consciência de que nunca poderemos fazer peças de 80 toneladas mas podemos ir até 22 toneladas”, diz o CEO da empresa com sede na Marinha Grande, que tem “moldes em aço para peças com até 1,5 metros” e vontade de agarrar esta oportunidade, mesmo sem experiência.

É também ao mundo automóvel que a Controlar vai buscar os conhecimentos e a vontade de escalar o seu negócio. Já trabalha com o México para quem fornece sistemas de testes eletrónicos e agora Fernando Leite quer replicar o modelo para convencer as grandes fabricantes de aviões.

“Sabemos que teremos de atravessar uma fase de validação, mas o mercado está a crescer muito depressa e as qualificações da engenharia portuguesa são muito bem referenciadas”, diz o presidente, assumindo que “as empresas que já operam no país não são totalmente desconhecidas e com o Portugal Connect, que abre portas com o stand na feira, será mais fácil entrar”.

Como? A estratégia é apresentada hoje com o anúncio da missão empresarial. Para já, além da Neológica e da Controlar, também está confirmada a presença da YAP e da Mecalbi, especialista em cablagem. Há ainda negociações “com uma empresa de componentes de autorádios” cuja confirmação ainda não está fechada.

Nos últimos dez anos, o México recebeu cerca de 2900 milhões de euros de investimento estrangeiro no setor aerospacial, o que lhe permitiu exportar mil milhões de euros em 2014.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Estado ‘devolve’ em deduções 60% do Adicional ao IMI que cobra

Amoreira Óbidos

Espanha desapareceu do mapa e França descobriu o velho oeste português

António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

EDP quer exportar tecnologia do maior parque eólico flutuante do mundo

Outros conteúdos GMG
Empresas portuguesas vão ao México conquistar Airbus e Bombardier