pagamentos

Empresas prestadoras de serviços e tecnológicas são as que mais demoram a pagar

Dinheiro

O prazo de liquidação de faturas chega aos 120 dias. As empresas portuguesas estão entre as piores pagadoras da União Europeia.

As empresas portuguesas de prestação de serviços (business services) são as piores pagadoras, com um prazo médio de liquidação que chega aos 120 dias, ou seja, cerca de quatro meses. Os dados são do estudo Payment Behaviour 2018, da seguradora de créditos Euler Hermes.

O prazo médio de pagamento das empresas em Portugal é de 73 dias, um dos mais elevados da União Europeia, e bem acima dos 60 dias estabelecidos na lei. Pior que Portugal só a Espanha com 78 dias, a Itália com 86 e a Grécia com 90 dias. Mas o pior pagador em todo o mundo é mesmo a China, com um prazo médio de 92 dias. A Nova Zelândia, com os seus 47 dias, está no topo da tabela dos melhores pagadores, seguida pela África do Sul e pela Áustria.

Foto: Payment Behaviour 2018 da Euler Hermes

Foto: Payment Behaviour 2018 da Euler Hermes

Portugal distingue-se por boas e más razões. As prestadoras de serviços nacionais registam o maior prazo de pagamento no todo dos 36 países analisados, com os 120 dias já referidos, contra um prazo médio global que não vai além dos 65 dias. Comparável só os 104 dias das empresas italianas. As tecnológicas portuguesas e as companhias de transporte estão também entre as piores pagadoras, com prazos médios de 109 e 100 dias. Mas as retalhistas nacionais levam, em média, apenas 15 dias para pagar aos fornecedores, um prazo que é metade dos 30 dias do setor a nível. Melhor só o retalho na Noruega, que leva, em média, seis dias a liquidar as faturas.

As indústrias do papel e as empresas do setor das utilities – água, energia, etc – portuguesas têm prazos de pagamento, em média, de 48 dias, figurando também entre as melhores performances a nível europeu. Em França, por exemplo, estas empresas pagam a 81 e a 56 dias, respetivamente.

Alberto Redondo, diretor de marketing da Seres, especialista em soluções de intercâmbio eletrónico de documentos, refere que existem três razões principais para o atraso nos pagamentos: a primeira é que a fatura não chega ao destino; a segunda é a existência de discrepâncias ou erros na fatura; e a terceira é que a empresa responsável por fazer o pagamento não quer ou não consegue pagar a tempo.

A Euler Hermes, no seu estudo, comparou a performance das empresas dos diversos setores em 36 países mais relevantes na economia mundial, da Europa aos EUA, passando pela China, Japão, África do Sul, Nova Zelândia, Arábia Saudita e Rússia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Outros conteúdos GMG
Empresas prestadoras de serviços e tecnológicas são as que mais demoram a pagar