eletricidade

Endesa duplica negócio que ajuda clientes a poupar na conta da luz

Miguel Campos, diretor da área Empresas da Endesa, prepara-se para duplicar o volume de negócios dos projetos de eficiência energética.
Miguel Campos, diretor da área Empresas da Endesa, prepara-se para duplicar o volume de negócios dos projetos de eficiência energética.

Segundo maior comercializador de eletricidade em Portugal - primeiro no segmento industrial - prevê faturar 10 milhões com soluções de eficiência.

Parece um contra-senso, mas a comercializadora de eletricidade Endesa está a crescer nos serviços energéticos que ajudam os clientes a poupar na fatura ao final do mês. “No ano passado, vendemos mais de 50 projetos, correspondendo a mais de cinco milhões de euros de volume de negócios, que vamos duplicar este ano”, anunciou Miguel Campos, diretor da área de empresas da Endesa.

Seria de esperar que uma comercializadora de eletricidade ajudasse a diminuir a fatura? Miguel Campos assegura que “é dando aos clientes aquilo de que precisam que se atinge a liderança”, referindo-se ao segmento empresarial onde a empresa de origem italiana é líder de mercado desde o início de 2015. “Foi também graças a isso que atingimos, pela primeira vez, mais de mil milhões de euros de faturação em Portugal”, revelou, ainda, ao Dinheiro Vivo.

Em maio, a Endesa aumentou 0,2 pontos percentuais a quota de mercado entre os clientes industriais, para 30%. É seguida de perto pela Iberdrola (23%) e pela EDP (21%), sendo o resto do mercado disputado por mais de meia dúzia de empresas com alguma expressão e uma percentagem crescente de “outros” – todas as que ocupam mais do que a 8ª posição nesta listagem. “Há imensa concorrência neste segmento, é um verdadeiro mercado liberalizado”, explicou Miguel Campos.

“Perante este cenário, não é tanto pelo preço que conquistamos clientes, mas também pela qualidade de serviço e, nisso, acreditamos que temos investido na direção certa para continuar a consolidar a nossa posição e crescermos nos segmentos de menor consumo: as PME e a Administração Pública”, acrescentou o responsável, calculando possuir em carteira cerca de cinco mil clientes empresariais.

As soluções de eficiência energética – solares fotovoltaicas, de iluminação, de gás e de ligações de gás e de elevação de tensão – são “o grande vetor de crescimento” para a Endesa porque “a eficiência permite poupar mais do que permitiriam os preços que eventualmente a concorrência pudesse oferecer”. Ainda assim, cerca de 20% dos clientes do segmento decide mudar de comercializador a cada revisão anual do contrato. “Tentamos fazer sempre a melhor oferta, personalizando o tarifário às necessidades de cada cliente, mas não ganhamos sempre”, admitiu Miguel Campos.

No segmento residencial, correspondente ao maior número de clientes em Portugal, mas com apenas cerca de 50% do consumo energético, a Endesa encontra-se em quarto lugar, atrás da EDP, da Galp e da Iberdrola. “Começámos há menos tempo no segmento residencial [no empresarial, estão desde 2000], portanto é natural que demore algum tempo até as pessoas perceberem que se somos a escolha do segmento empresarial então podemos ter algo a oferecer também aos residenciais”, explicou.

Entre os comercializadores a operar em Portugal, a Endesa é o segundo maior em consumo.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Endesa duplica negócio que ajuda clientes a poupar na conta da luz