vinho

Enoturismo vai fazer aumentar em 50% as vendas à portas das quintas

Turismo será o principal motor do crescimento do vinho nos próximos anos

A AESE Business School e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro acreditam que o turismo será a principal alavanca de crescimento do sector do vinho em Portugal, com o enoturismo a proporcionar um aumento de vendas que pode chegar aos 50%.

Os dados, recolhidos pelo projeto CV3 – Criação de Valor na Vinha e no Vinho, apontam para que as vendas à porta das quintas aumentem de valor entre 30% e 50% nos próximos cinco anos, uma subida que dará às empresas do sector uma “margem adicional significativa”, para além de qualificar a imagens das respetivas marcas, algo “muito relevante” por 96% dos produtores inquiridos. Para discutir o tema, e ouvir alguns dos principais nomes do enoturismo nos EUA e na Europa, a AESE organiza, terça-feira, em Lisboa, o seminário ‘Enoturismo: Como Crescer e Competir?’.

“O enoturismo posiciona-se como uma vertente importante da atividade da indústria do vinho e contribui para criar valor através de três pilares complementares”, defende o presidente da AESE e um dos mentores do Projeto CV3. “A afirmação de uma oferta turística diferenciada, o reforço da geração de valor no sector da vinha e do vinho e o fortalecimento de um motor de desenvolvimento económico e de ordenamento do território”, salienta Ramalho Fontes.

Para além da AESE e da UTAD, o Projeto CV3 envolve o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária – INIAV, a ADVID – Associação Desenvolvimento da Viticultura Duriense e a consultora PricewaterhouseCoopers – PwC Portugal. Visa estimular as exportações de vinho português, contribuindo para o aumento da competitividade das empresas nacionais no mercado global.

Segundo a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, em 2018 vieram a Portugal 2,5 milhões de turistas atraídos pelo enoturismo (mais 300 mil que em 2016), sendo que “80% dos que nos visitam afirmaram que a nossa gastronomia e os nossos vinhos os farão voltar”. Se Portugal acompanhar a evolução verificada noutras regiões do mundo, é previsível que nos próximos anos os turistas enófilos aumentem os seus consumos nos centros de enoturismo nacionais em cerca de 20%.

“O potencial do enoturismo em Portugal é tão expressivo que, no âmbito do Projeto CV3, fizemos questão que os agentes do mercado português possam ouvir os diagnósticos mais atuais das regiões de Bordéus, na Europa, e de Nappa Valley, nos Estados Unidos”, afirma Ramalho Fontes. Presentes estão, também, especialistas de outras áreas deste ‘cluster’, como a logística, que será fundamental para transportar para casa dos turistas estrangeiros as garrafas de vinhos que eles comparem em cada quinta.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(FOTO: Lisa Soares/GI)

Idade média da reforma no privado no valor mais alto em 20 anos

O ex-secretário de Estado da Energia, Artur Trindade

EDP e ex-secretário de Estado vão ser constituídos arguidos

Peter Wilhelm

“Diminuição significativa das rendas pode provocar efeito dominó” na banca

Enoturismo vai fazer aumentar em 50% as vendas à portas das quintas