Combate ao branqueamento

Novas regras para as escrituras de imóveis a partir de Novembro

imoveis2

As escrituras terão de passar a descriminar o modo de pagamento a partir de Novembro.

As escrituras terão de passar a indicar o modo de pagamento já a partir do mês de novembro no âmbito de uma nova lei de prevenção do branqueamento de capitais e combate ao financiamento de terrorismo.

A ideia é seguir rasto ao dinheiro envolvendo transações de imóveis. Para tal, serão feitas alterações ao Código do Registo Predial e ao Código do Notariado.

As novas regras fazem parte do novo Regime Jurídico do Registo Central do Beneficiário Efetivo que força as empresas a identificar as pessoas singulares detentoras de participações sociais.

Segundo a lei publicada esta segunda-feira em Diário da República, será alterado o artigo número 44 do Código do Registo predial passando a seja descriminado, “sempre que esteja em causa o pagamento de uma quantia, a indicação do momento em que tal ocorre e do meio de pagamento utilizado”.

Assim, se o pagamento for feito em numerário, terá de ser indicada qual a moeda utilizada. Tratando-se de pagamento por cheque, tem de ser indicado o seu número e a entidade sacada. Se o pagamento for feito através da realização de uma transferência de fundos há que indicar qual a identificação da conta do ordenante e da conta do beneficiário. “Quando o ordenante ou o beneficiário não realize a transferência por intermédio de uma conta de pagamento, mediante a menção do identificador único da transação ou do número do instrumento de pagamento utilizado e do respetivo emitente”, lê-se no diploma.

No caso do Código do Notariado serão alterados as artigos número 47 e 173 também para obrigar à identificação do meio e data a de pagamento da transação em causa, bem como a identificação das contas dos envolvidos na operação.

As alterações entram em vigor em meados de novembro próximo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa visita casas em construção. Fotografia: RODRIGO ANTUNES/LUSA

Aviões puxam pelo investimento, bancos e construção amortecem recessão

Entrevista a Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.
(Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Luís Araújo: “A nossa maior concorrência não é um país. É o medo”

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Novas regras para as escrituras de imóveis a partir de Novembro